Correio de Carajás

Crime no Hospital Municipal revela rotina de insegurança

Hospital Municipal de Marabá, onde se salva vidas, foi palco de morte esta semana/ Foto: Chagas Filho

MARABÁ

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Os pacientes, os acompanhantes e principalmente os funcionários das casas de saúde não estão devidamente protegidos, sobretudo durante a madrugada

O assassinato do paciente Bruno Fernandes Mendes, de 20 anos, morto a tiros por pistoleiros, dentro do Hospital Municipal de Marabá (HMM), na madrugada de terça-feira (27), chama atenção para outro problema: a falta de segurança dos servidores que trabalham na casa de saúde. Até porque esta não foi a primeira vez que algo do tipo aconteceu. O problema é que talvez não será a última.

Baleado no domingo, Bruno, o “Loirinho”, foi morto dentro do HMM na terça

Glécia Milhomem, técnica em Enfermagem, que atuou por 11 anos no HMM, relata que já viveu situações de apreensão e medo no hospital. Ela diz já ter visto, durante uma madrugada, um paciente baleado ser arrancado do leito, com os curativos ainda no corpo, e ser levado para fora porque pessoas queriam fazer justiça com as próprias mãos. “Invadiram o hospital, arrastaram o rapaz, arrancaram o dreno, foi uma situação bem complicada, bem difícil. Até hoje meu psicológico fica afetado”, relata, ao acrescentar que os profissionais de Saúde estão ali para atender a todos que chegam, independente do que fizeram.

Ainda de acordo com ela, os profissionais de Saúde precisam ter o mínimo de segurança porque trabalham com vidas humanas e ninguém merece presenciar uma mãe (a genitora de Bruno) testemunhar o assassinato do filho sem nada poder fazer.

Leia mais:

“Me chocou muito essa situação de uma mãe gritando, pedindo ajuda e a gente sem poder fazer nada nessa situação de violência, isso fica marcado na alma do servidor, na alma dos usuários que ali estavam presentes”, observa.

Glécia Milhomem, sindicalista: “Até hoje meu psicológico fica afetado”

Glécia, que integra o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde Pública do Pará (Sintesp), em Marabá, explica que a entidade está cobrando providências das autoridades, porque não é a primeira vez que isso ocorre. Para tanto, o sindicato encaminhará ofícios, nesta quinta-feira (29), pedindo reunião com representantes da Secretaria Municipal de Saúde, da Câmara Municipal, do Ministério Público e com o próprio prefeito.

Hospital se manifesta

Durante esta quarta-feira, o CORREIO enviou mensagens e fez telefonemas para a Secretaria Municipal de Segurança Institucional (SMSI), na tentativa de saber se alguma nova medida de segurança seria tomada em relação à segurança de servidores e usuários da casa de saúde, mas não houve retorno. Por outro lado, a direção do HMM se manifestou ainda na terça-feira sobre o assunto.

Em nota, a direção explicou que os cinco criminosos que tiraram a vida do paciente entraram normalmente no hospital, em direção ao Pronto Socorro, como se procurassem atendimento. “Lembrando que o HMM é um Hospital de portas abertas, que não pode negar atendimento nem entrada de quem quer que seja”, diz nota do hospital.

Ainda de acordo com a direção da casa de saúde, as cinco pessoas desceram rapidamente do carro, renderam um dos maqueiros que foi em direção ao veículo para prestar auxílio aos possíveis pacientes. Sob mira de armas, todos se dirigiram ao bloco B (ala cirúrgica), onde se encontrava a vítima, que havia sido operada na noite de domingo (25), devido a uma outra tentativa de assassinato a bala, cujo projetil perfurou o intestino.

“Assim que os invasores executaram a vítima, se evadiram do local. É importante ressaltar que o HMM possui segurança normal e com Guardas Patrimoniais e que o acesso ao Pronto Socorro é livre em função do serviço prestado”, diz a nota do HMM.

Histórico de invasões

Esta não foi a primeira vez que uma ocorrência desse tipo se registrou em Marabá. Em 2015, dois homens que haviam matado um policial e foram baleados, acabaram mortos a facadas dentro do hospital. Foi uma madrugada de terror.

No início dos anos 2000, um assaltante baleado também foi alvo de criminosos, que tentaram matá-lo dentro do Municipal. Ele sofreu cerca de 10 tiros, mas sobreviveu ao atentado.

Mais recentemente no Hospital Regional de Marabá, pistoleiros entraram na casa de saúde e tentaram matar um cabo da Polícia Militar, que estava internado lá. E em Parauapebas, no ano de 2017, um líder sem-terra também foi morto por homens encapuzados dentro do hospital.

Várias imagens estão sendo verificadas

Além das imagens das câmeras do circuito interno do Hospital Municipal de Marabá, que foram encaminhadas para a Polícia Civil, para ajudar nas investigações, o Departamento de Homicídios está colhendo imagens também de outras câmeras de segurança espalhadas ao redor da cidade.

A informação foi repassada ontem (28) pelo delegado Vinícius Cardoso das Neves, diretor da 21ª Seccional Urbana. Segundo ele, a intenção da Polícia Judiciária é tentar identificar a rota traçada pelos pistoleiros que mataram Bruno Fernandes Mendes.

“Sempre é um desdobramento natural fazer a coleta de imagens no local. A polícia esteve no hospital municipal já fazendo a análise dessas imagens e, inclusive, em outros locais para compreender toda a dinâmica do deslocamento desses criminosos e a dinâmica desse crime”, disse o delegado.

(Chagas Filho, Ulisses Pompeu e Zeus Bandeira)

 

Mais

Adolescente é encontrada, mas colega segue desaparecida

Adolescente é encontrada, mas colega segue desaparecida

Após boletim de ocorrência ter sido registrado na manhã desta sexta-feira (14), a adolescente de 13 anos Isabela Cruz Costa,…
Envolvido em assalto ao BMG de Marabá é preso

Envolvido em assalto ao BMG de Marabá é preso

José Lúcio Barroso da Silva foi preso nesta sexta-feira (14) em cumprimento de mandado de prisão, pela Superintendência Regional do…
Mulher aplica golpe em farmácia do Cidade Jardim

Mulher aplica golpe em farmácia do Cidade Jardim

A Polícia Civil prendeu Kamila Morais Alves, de 24 anos, por estelionato, nesta quinta-feira (13), em Parauapebas. A mulher emitia…
Adolescentes de 13 anos estão desaparecidas em Parauapebas

Adolescentes de 13 anos estão desaparecidas em Parauapebas

As adolescentes Ana Clara Moraes de Souza e Isabela Cruz Costa estão desaparecidas desde a manhã da quinta-feira (13). As…
Corpo é encontrado degolado na beira do rio, na Folha 8

Corpo é encontrado degolado na beira do rio, na Folha 8

Foi identificado como Wallame Franco de Mesquita, de 30 anos, o corpo localizado na quarta-feira (12). por volta das 19h10,…
Foragido por homicídio no Tocantins é preso em Parauapebas

Foragido por homicídio no Tocantins é preso em Parauapebas

Eliwelton Carneiro da Silva foi preso na noite desta quinta-feira (13), no Bairro Cidade Jardim, em Parauapebas. Consta contra ele…