Correio de Carajás

Corpo de Dayse Lemos é velado em Marabá e investigação continua

Foto: Josseli Carvalho
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Ocorre na Primeira Igreja Batista, localizada na Avenida Antônio Maia, Nº 1325, na Marabá Pioneira, o velório de Dayse Dyana Lemos, de 35 anos, morta ontem, domingo (31), em Parauapebas. O sepultamento ocorre às 16 horas de hoje, segunda-feira (1º), no Cemitério da Saudade, na Folha 29, na Nova Marabá.

A Polícia Civil investiga se a mulher foi vítima de feminicídio. O companheiro dela, Diógenes dos Santos Samaritano, foi preso ainda ontem como suspeito de ter jogado a mulher do segundo andar da casa onde viviam, matando-a. O homem, que é agente de trânsito do Detran, foi autuado em flagrante e segue recolhido.

A Polícia Civil ouve hoje familiares de Dayse. A morte aconteceu na manhã de ontem (31) na Rua Canindé, bairro Parque dos Carajás. O agente de trânsito do Detran-PA, Diógenes dos Santos Samaritano, foi preso no início da tarde.

Leia mais:

Posição do corpo e sumiço levantaram suspeitas

Em entrevista coletiva à imprensa, ainda ontem, o delegado Gabriel Henriques Alves Costa informou que a Polícia Civil começou a desconfiar que não se tratasse de suicídio ao checar as imagens do corpo da mulher caído e em decorrência do desaparecimento do companheiro e do filho do casal.

Ainda pela manhã, um dos advogados do homem entrou em contato com um investigador da Policia Civil informando que a mulher havia morrido. Uma equipe então ao endereço e o isolou. Do muro, foram retiradas fotografias compartilhadas com o delegado Gabriel Henrique, que estranhou a posição do cadáver.

“O corpo está muito próximo à parede onde está a janela e a pessoa que suicida se joga, cairia mais distante. A gente verifica onde o corpo foi encontrado que ela cairia mais distante. A altura também da janela para o chão é de 4 metros, ela poderia ter fraturas e hematomas, mas morrer é estranho nessa altura”, diz.

Conforme ele, a partir das fotografias foi constatado, a princípio, que suicídio estava duvidoso e a Polícia Civil solicitou a presença de uma equipe do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, de Marabá, no local. “Constatamos que o marido tinha que dar esclarecimentos e ele tinha sumido. A partir da hora que ele sumiu constatamos que não era suicídio e a princípio deveria dar vários esclarecimentos”.

Polícia Civil sustenta que homem não se entregou espontaneamente

Para a Polícia Civil, Diógenes Samaritano não se entregou espontaneamente, como chegou a ser veiculado, apesar de estar acompanhado dos advogados no momento da prisão, realizada no escritório destes. “Começamos a realizar diligências para localizar o indivíduo, acionei a Polícia Militar e os investigadores que estavam de folga para fazermos diligencias pela cidade”.

Neste meio tempo as suspeitas aumentaram, vez que a equipe descobriu haver uma condenação dele recente por violência doméstica, ação em que a mulher morta aparecia como vítima, conforme já veiculado pelo Portal Correio. “Isso reforçou haver briga do casal e possivelmente o homicídio. Passei na frente do escritório dos advogados e verifiquei que eles estavam lá, no domingo, com a porta fechada. Parei meu carro particular e passei a fazer campana”, relata o delegado.

De acordo com ele, ao acompanhar a movimentação percebeu que o suspeito estava no local e, quando um dos advogados deixou o prédio, o delegado telefonou para ele informando que esperaria em campana o homem sair enquanto tentativa conseguir um mandado de busca e apreensão para entrar no local junto ao juiz que estivesse de plantão.

“O advogado retornou pedindo pra não algemar e nem colocar ele no bloco carcerário. Queria apresentar o rapaz no dia seguinte, mas eu disse que não sairia de lá. Ele retornou e o outro advogado me convidou para entrar no escritório. Entrei pensando que ele pudesse fugir pelos fundos e realizamos a prisão dele, levando ele no meu carro junto do advogado para a delegacia. Em momento algum o advogado apresentou ele espontaneamente”.

Outra preocupação era o desaparecimento do filho do casal. Ao ser preso, Diógenes informou que a criança estava com um parente dele e que estaria bem. A criança foi localizada apresentando vermelhidão no pescoço. Por isso foi encaminhada para a delegacia, ouvido por uma psicóloga e então encaminhado para realização de exame de corpo e delito.

Questionado sobre o que Diógenes teria dito após a prisão, o delegado afirmou que ele se manteve em silêncio, apenas balançando a cabeça.

OAB emite nota de pesar

Tanto a vítima, Dayse, quanto o suspeito, Diógenes, são bastante conhecidos em Marabá, de onde são naturais, quando em Parauapebas, onde viviam. A vítima é filha da advogada Wilma Lemos, que também atuou durante muitos anos como professora em Marabá. A Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção Parauapebas emitiu nota de pesar na qual manifesta o mais profundo pesar pelo falecimento da filha da colega e sustenta a acusação de feminicídio.

“Dayse Dyana foi mais uma vítima de feminicídio, mais uma mulher que teve sua vida ceifada de forma brutal, repentina e injustificada. Todas as mulheres do mundo morrem um pouco neste cenário de violência que vem acontecendo contra as mulheres. A OAB Subseção Marabá reafirma seu compromisso na luta pelos direitos das mulheres e pelo fim da violência de gênero.

O presidente da OAB Subseção Marabá, Ismael Gaia, expressa a mais profunda solidariedade à nossa colega advogada Wilma Lemos, familiares e amigos. E pede à Deus que dê à Dayse Dyana Sousa e Silva o merecido repouso eterno em seu reino. Muito respeitosamente, prestamos as nossas condolências e deixamos os nossos mais sinceros pêsames”, diz o texto. (Luciana Marschall – com informações de Ronaldo Modesto)

Comentários

Mais

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

As indenizações de cerca de 400 pessoas que alegam não ter sido contempladas com a criação do Parque Estadual da…
Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

No último dia 6 de junho uma decisão publicada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a suspensão de ordens ou…
Reflexões sobre depressão e suicídio

Reflexões sobre depressão e suicídio

Um jovem de 28 anos tirou a própria vida se atirando na direção de uma carreta em movimento. O caso…
Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

No ranking das dez piores ligações rodoviárias do País, boa parte das estradas está situada em regiões agrícolas, dificultando o…
Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

O Laboratório de Inflação e Custo de Vida de Marabá (Lainc), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará…
Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

O desemprego recuou para 13,7% em junho, último mês do trimestre móvel iniciado em abril. O percentual foi atingido depois…