Correio de Carajás

Copa do Mundo na França alça futebol feminino a outro patamar

Marta e Andressinha na Copa do Mundo de Futebol Feminino. - Phil Noble/ Reuters / Direitos Reservados
Marta e Andressinha na Copa do Mundo de Futebol Feminino. - Phil Noble/ Reuters / Direitos Reservados
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O futebol feminino viveu no ano de 2019 um momento histórico.  A Copa do Mundo, disputada na França, entre junho e julho, foi um sucesso. A competição bateu recorde de audiência: de acordo com um relatório da Fifa, foram 1,12 bilhão de espectadores ao redor do mundo – somando público de TV e de internet – o que representa um aumento de 30% se comparado à edição média registrada no Mundial de 2015, no Canadá.

O confronto final, entre Estados Unidos e Holanda, realizado em Lyon, foi o mais visto entre todas as decisões do Mundial até hoje: cerca de 82,2 milhões de pessoas acompanharam o jogo ao vivo, número 56% maior que no mundial de 2015. Na final inédita, os Estados Unidos conquistaram o bicampeonato consecutivo ao vencer a seleção holandesa por 2 a 0, passando a somar quatro títulos mundiais.

A seleção norte-americana, liderada pela capitã Megan Rapinoe – eleita a melhor jogadora da competição – conquistou o quarto título mundial de forma invicta. Logo na estreia, a equipe feminina dos Estados Unidos aplicou uma goleada histórica sobre a seleção da Tailândia: placar de 13 a 0, sendo que cinco gols foram de autoria da atacante Alex Morgan. As adversárias holandesas, atuais campeãs europeias, também fizeram uma campanha brilhante para chegar à final: venceram todas as partidas, inclusive na fase de grupos. Mas caíram diante da experiência e evolução técnica das norte-americanas, comandadas pela treinadora Jill Ellis.

Leia mais:

Mas o jogo que mais atraiu a atenção do mundo foi o da seleção brasileira contra a equipe da França, pelas oitavas de final.  A partida bateu recorde de audiência: 59 milhões de telespectadores de todo o planeta, sendo que 35 milhões deles acompanharam o duelo no território nacional. Em campo, a equipe brasileira, comandada pelo técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, mostrou garra e fez um duelo equilibrado contra o time francês.  Mas, apesar da torcida e da garra em campo, o Brasil se despediu do Mundial após perder por 2 a 1 na prorrogação.

Durante o Mundial da França, a meia-atacante Marta, eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo pela Fifa, conquistou o título de maior artilheira de todas as Copas – feminina e masculina – com 17 gols, ultrapassando o alemão Miroslav Klose, autor de 16 gols pela seleção alemã.  O gol que alçou Marta à maior artilheira dos Mundiais foi de pênalti, na vitória por 1 a 0 contra a Itália, placar que garantiu a classificação do Brasil para as oitavas de final.

Um mês após a eliminação do Brasil na Copa, o técnico Vadão deixou o comando da seleção. Nesta segunda passagem pela equipe, Vadão conduziu o time na conquista da Copa América de 2018 que assegurou a vaga do Brasil no Mundial da França e na Olimpíada de Tóquio 2020.   

Renovação

Com um currículo vencedor, a técnica sueca Pia Sundahage, de 59 anos, assumiu oficialmente no dia 30 de julho o comando da seleção feminina pelos próximos dois anos. Bicampeã olímpica em 2008 e 2012, com a equipe feminina dos Estados Unidos, Sundhage treinava a seleção da Suécia quando o time conquistou a medalha de prata na Rio 2016.

Sueca Pia Sundhage é apresentada como nova técnica da seleção feminina brasileira de futebol
Sueca Pia Sundhage é apresentada como nova técnica da seleção brasileira feminina de futebol – Lucas Figueiredo/CBF

A treinadora sueca deixou claro, logo ao assumir o posto, que a renovação do grupo é um dos seus principais objetivos, tendo em vista que jogadoras importantes como Marta, Formiga, e Cristiane estão próximas da aposentadoria. De olho na nova geração, Sundhage se mostrou comprometida com a integração das categorias femininas de base (sub-17 e sub-20) com a seleção profissional.

Na corrida contra o tempo para preparar a seleção brasileira rumo à conquista do ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, Sundhage já conduziu a seleção em oito jogos, e o retrospecto é pra lá de animador. Sob novo comando, a equipe principal encerrou invicta o ano de 2019, com seis vitórias e dois empates (neste dois, o Brasil perdeu nos pênaltis, para as seleções do Chile e China).

Logo na partida de estreia de Sundhage, a seleção goleou a rival Argentina por 5 a 0, no torneio amistoso Uber Internacional, em São Paulo. Mas a maior goleada foi contra o México, 6 a 0, com direito a três gols da atacante Bia Zaneratto. A técnica sueca vibrou com o desempenho do time, que contou com nove novidades na lista de 27 convocadas. No segundo e último amistoso preparatório desse ano, também contra o México, Sundhage convocou 17 novatas entre as 27 convocadas. E deu certo de novo: o escrete brasileiro ganhou por 4 a 0, e demonstrou que está no caminho para brilhar em Tóquio 2020.

Libertadores Feminina

E o futebol brasileiro fez bonito também na Copa Libertadores Feminina, em Quito no Equador.  A competição, disputada entre 11 e 27 de outubro, reuniu 16 clubes e foram dois times brasileiros que chegaram à final. O Corinthians, vice-campeão brasileiro, conquistou o título da Libertadores, diante da Ferroviária, campeã nacional este ano.  

 bicampeonato do time feminino do Corinthians na Copa Libertadores.
Bicampeonato do time feminino do Corinthians na Copa Libertadores. – CONMEBOL Libertadores Feminina

O Timão desbancou a equipe de Araraquara por 2 a 0, numa decisão com gosto de revanche. Na grande decisão do Brasileirão feminino, após o tempo regulamentar, a Ferroviária levou a melhor nos pênaltis, em pleno Parque São Jorge, casa do adversário.

O título é o segundo na história da equipe feminina do Corinthians: o primeiro foi em 2017, quando o time firmou parceria com o Audax. (Agência Brasil)

Comentários

Mais

Um fenômeno chamado Formiga vai para Tóquio

Um fenômeno chamado Formiga vai para Tóquio

Quando a técnica da seleção feminina de futebol do Brasail, Pia Sundhage, convocou as 18 atletas que representarão o País…
Eriksen usará desfibrilador após parada cardíaca em campo

Eriksen usará desfibrilador após parada cardíaca em campo

O dinamarquês Christian Eriksen usará um cardioversor desfibrilador implantável (CDI) após desmaiar em campo por causa de uma parada cardíaca…
Brasil goleia seleção peruana e segue 100% na Copa América

Brasil goleia seleção peruana e segue 100% na Copa América

Com gols do lateral Alex Sandro, do meia Everton Ribeiro e dos atacantes Neymar e Richarlison, o Brasil goleou a…
Delegação brasileira de judô terá 13 atletas na Olimpíada de Tóquio

Delegação brasileira de judô terá 13 atletas na Olimpíada de Tóquio

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) anunciou no início da tarde desta quarta-feira (16) os 13 nomes que irão representar o…
Assim como CR7, Pogba também tira garrafa da mesa durante entrevista coletiva

Assim como CR7, Pogba também tira garrafa da mesa durante entrevista coletiva

Pogba, da França, repetiu gesto de Cristiano Ronaldo e retirou uma garrafa da mesa durante entrevista coletiva. Cristiano Ronaldo, astro português retirou uma…
Flamengo não vai liberar Pedro para Olimpíada; jogador já foi comunicado

Flamengo não vai liberar Pedro para Olimpíada; jogador já foi comunicado

O Flamengo já decidiu: Pedro não será liberado para disputar os Jogos Olímpicos pela seleção brasileira no Japão. O jogador…