Correio de Carajás

Comissário insinua que carrapato em voo que saiu de Marabá estava no cabelo de homem negro

Biólogo Bruno Henrique conta que, durante o voo, caíram carrapatos em cima dele e da passageira ao lado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um homem negro, morador de Vicente Pires, no Distrito Federal, denuncia ter sido vítima de racismo em um avião da Gol, que saía de Marabá para Brasília, em junho deste ano. O biólogo Bruno Henrique Dias Gomes, 25 anos, conta que, durante o voo, caíram carrapatos em cima dele e da passageira ao lado. Ao acionar o comissário de bordo, porém, ele relata ter sido constrangido: “Falou que poderia ter caído do meu cabelo”.

Segundo Bruno, ele viajou a Marabá para fazer um concurso da Polícia Militar, ocorrido em 6 de junho. No dia seguinte, voltou para Brasília, onde vive com a esposa.

Durante o voo, ele assistia uma série no celular, quando um carrapato caiu em cima do telefone. “Eu estava sentado na poltrona ao lado do corredor. Do nada, caiu uma coisa em cima do celular. Eu e a passageira ao lado ficamos observando e, depois, ele caiu no chão. Passaram uns três, quatro minutos e caiu outro, no ombro dela. Eu tirei, com a mão mesmo, coloquei sobre a bancada e chamei o comissário. Falei que já era o segundo que caía, aí ele: ‘Você tem certeza?’ Eu mostrei o que estava na minha mão, aí ele saiu e voltou”, narra.

Leia mais:

“Mais uns cinco minutos e caiu outro na minha mesa. Fui tentar pegar e ele caiu no chão. Chamei o comissário de novo e começou um burburinho na aeronave, porque na minha poltrona e na da frente todo mundo levantou para ver se tinha caído sobre os bancos. Quando chegaram esses dois comissários, eles trocaram um pessoal [de assento] e eu continuei na minha poltrona. Aí, nesse momento, um deles falou assim: ‘Pode ter caído de qualquer lugar, até do seu cabelo’. Meu cabelo é afro”, completa.

De acordo com Bruno, após desembarcar, ele procurou um guichê da companhia aérea, mas não conseguiu registrar reclamação. “Eu estava meio atordoado com os carrapatos caindo e não guardei a fisionomia do comissário”, diz.

“A moça falou: ‘Isso não dá nada, não, pode acontecer porque [o carrapato] pode vir em bagagem de cliente’. Aí eu falei: ‘Mas eu fui constrangido’. E ela disse: ‘Infelizmente, não temos o que fazer’. Aí, voltei para casa, mas como eu estava atordoado com essa questão do concurso, nem pensei em registrar ocorrência. Depois, eu estava conversando com a minha tia e ela alertou: ‘Isso é racismo’”, conta.

Ele, então, fez uma reclamação no site da Gol, no consumidor.gov.br e no Reclame Aqui. Porém, diz que não teve retorno pelo site da companhia aérea.

Através do consumidor.gov.br, Bruno recebeu contato da Gol, oferecendo bônus de R$ 500 para compra de outra passagem. Contudo, ele não conseguiu usar, uma vez que o prazo de validade era até 31 de julho.

“Eles mandaram essa mensagem falando que dariam o bônus. Mas isso não repara. Eu falei para eles que não queria dinheiro, queria um pedido de desculpas pelo constrangimento que passei”, comenta.

Segundo Bruno, após a viagem de avião, ainda levou um tempo para ele entender o que havia acontecido e, então, tomar alguma medida. “Eu tive covid-19 no início, por 15 dias. Depois disso, foi quando tive contato com a minha tia, conversei com ela, e abri a reclamação no site. Quando tive um retorno deles (da Gol), aí eu entendi que, se eles assumiram o erro e pagaram (o bônus), eles sabem que fizeram uma coisa errada”, afirma. “Pensei que, se foi difícil para mim entender, outras pessoas podem passar pela mesma coisa também sem perceber”, acrescenta o biólogo.

Nos próximos dias, Bruno pretende denunciar o caso à polícia. “Sou de religião de matriz africana e tem uma época do ano em que não posso chegar em aeroporto ou rodoviária. Então, por conta da minha religião, não posso ir agora ao aeroporto nos próximos dias. Daqui 10 dias eu vou lá na Polícia Federal (ao lado do Aeroporto de Brasília) fazer a ocorrência”, finaliza.

O que diz a Gol

O Metrópoles entrou em contato com a Gol para um posicionamento da companhia aérea sobre o caso e aguardava retorno até a publicação desta matéria. Tão logo a empresa responda, a reportagem será atualizada. (Fonte: metropoles.com)

Comentários

Mais

Anvisa determina recolhimento de lote com mais de 40 mil doses de Coronavac no Pará

Anvisa determina recolhimento de lote com mais de 40 mil doses de Coronavac no Pará

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o recolhimento de 25 lotes de vacinas Coronavac, entre eles o lote…
Prazo para prova de vida acaba dia 30 para aposentados e pensionistas

Prazo para prova de vida acaba dia 30 para aposentados e pensionistas

Aposentados, pensionistas e anistiados políticos civis que ainda não fizeram, junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a comprovação…
Usuários de mototáxi em Marabá denunciam cobrança acima da tabela

Usuários de mototáxi em Marabá denunciam cobrança acima da tabela

Vários usuários do serviço de mototáxi em Marabá estão revoltados com a cobrança que os condutores estão fazendo, acima da…
Pará registra 589.628 casos e 16.630 mortes pela Covid-19

Pará registra 589.628 casos e 16.630 mortes pela Covid-19

O Pará contabilizou mais 376 casos de Covid-19 e 6 mortes causada pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
NÃO É FAKE: Conta de luz da Equatorial Energia pode ser paga pelo PIX

NÃO É FAKE: Conta de luz da Equatorial Energia pode ser paga pelo PIX

Os clientes do Grupo Equatorial Energia poderão pagar seus boletos através do PIX. A partir de 20 de setembro, os…
Dona de boate morre em acidente na BR-155

Dona de boate morre em acidente na BR-155

Uma caminhonete com cinco passageiros tombou nesta quinta-feira, 23, na Rodovia BR-155, entre Redenção e Pau D’arco, na região sul…