Correio de Carajás

Com Síndrome de Down e surdez, Marcos é apaixonado por música e bateria

Marcos Antônio frequenta a escola de música duas vezes por semana / Fotos: Evangelista Rocha

O QUE VOCÊ OUVE?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Aos 16 anos, Marquinhos aprendeu a usar um outro sentido, o da sensação. A cada batida na percussão, ondas sonoras vibram em seu corpo, lhe dando a sensação de bem estar e prazer

Há cerca de dois meses, Marcos Antônio Costa, 16 anos, começou a frequentar uma escola de bateria. Com o objetivo de incentivar a musicalização no jovem, que ao sentir a vibração de determinados sons fazia repetições e movimentos com as mãos, o pai, Odivaldo Costa, resolveu matricular o filho para ver quais os resultados a música traria ao menino.

E não deu outra. Marquinhos, como é carinhosamente chamado por todos, está tendo uma evolução sur-pre-en-den-te.

Para o professor Walkimar Guedes, pedagogo, músico e especialista em educação musical, é importante perceber que a música não pode ser tratada de uma forma evasiva. “A gente não pode, simplesmente, trazer a nossa perspectiva de ouvinte.  Estamos quebrando padrões impostos pela sociedade, que surdo não pode ouvir música”.

Leia mais:
Com o professor Walkimar Guedes, Marquinhos trabalha estímulos e sons

Ele explica que quando uma pessoa tem um sentido a menos, ela costuma aguçar outro. Os surdos, por exemplo, desenvolvem a sensibilidade tátil, através da vibração e da visão.

“Estamos estudando a forma que vamos trabalhar com ele de acordo com as respostas que ele vem trazendo, como o que ele gosta e o que não gosta. Tem algumas atividades que não dão certo. Trabalhamos estímulos e repetições. O Marquinhos teve uma melhora muito grande nesses poucos meses”, afirma.

Walkimar já desenvolveu diversos trabalhos com surdos e sabe da importância que essa arte desenvolve nas pessoas, principalmente as especiais.

Trabalhando de forma inclusiva e desenvolvendo metodologias individuais para cada um, a música consegue trabalhar a socialização, o desenvolvimento psicomotor, trabalhos em grupos e comunicação.

“A musicalização é como entende-se, a grosso modo, como se fosse a alfabetização. Todas as pessoas precisam ser musicalizadas assim como são alfabetizadas”.

Com a palavra, o pai…

“Foi Deus quem colocou o Marquinhos nas nossas vidas. Temos dois filhos mais velhos, mas cremos que fomos selecionados por Deus pra cuidar dessa vida que veio nos ensinar a valorizar a vida, as pessoas e a entender um pouco mais deste mundo. Com ele a gente foi quebrando barreiras sociais e familiares”.

Para o pai, a escola de bateria foi uma mudança essencial na vida do Marcos. Ele explica que o filho sempre teve o ouvido aguçado, gostava de brincar marcando os sons, foi então que decidiu comprar uma bateria, mas o menino nunca havia ido até o instrumento.

“Ele é uma bênção nas nossas vidas”, diz o pai

“Desde que começaram as aulas aqui na escola, ele pega as baquetas e vai para a bateria tocar. Um dia que ele acordou antes das 7 horas da manhã e ia tocar. Falei ‘não, nossos vizinhos são bons, mas não tanto”, relembra o pai aos risos.

Odivaldo, que já sofreu na pele a falta de preparo e inclusão em algumas instituições de ensino, é só elogios à escola de bateria, onde o filho é recebido e tratado da forma correta.

“A inclusão social não é só matricular o aluno, é preparar-se para trabalhar com esse aluno. Na época de leva-lo à escola pela primeira vez, nenhuma instituição queria aceitar o Marcos por conta do down e da surdez”, relembra.

Sobre ser pai de Marcos

“É superar barreiras. É crescer como pessoa. Sou muito feliz em ser pai do Marcos Antônio. Ele é uma bênção nas nossas vidas”, finaliza. (Ana Mangas)

Comentários

Mais

Caminhão a serviço do Dnit derruba tanque e VP-8 é parcialmente bloqueada

Caminhão a serviço do Dnit derruba tanque e VP-8 é parcialmente bloqueada

Uma das rotatórias da avenida VP-8 da nova Marabá estava parcialmente isolada nesta manhã de domingo (20), bem perto da…
Presidente do Incra exalta reforma agrária

Presidente do Incra exalta reforma agrária

Presidente do Incra exalta reforma agrária Em seu discurso no evento em Marabá, o presidente do Incra, Geraldo Melo Filho,…
Começa hoje a vacinação da  população sem prioridade

Começa hoje a vacinação da população sem prioridade

Um mutirão de dois dias vai marcar o momento tão esperado pelos marabaenses: o início da vacinação contra a covid-19…
Dose extra de vacina é insuficiente para imunizar a população

Dose extra de vacina é insuficiente para imunizar a população

A Secretaria Municipal de Saúde de Canaã dos Carajás recebeu do Governo do Estado 3.140 doses de vacina contra o…
Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

A administração pública de Parauapebas trabalha para resolver a situação dos indígenas venezuelanos da etnia Warao, que estão acampados há…
Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Logo após a execução do Hino Nacional, no Parque de Exposições, nesta sexta-feira, dia 18, o prefeito de Marabá, Tião…