Correio de Carajás

Com laudo nas mãos, mãe de bebê morto nega estupro

Adriana mostra documento provisório do IML que aponta morte por trauma crânio encefálico
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A Polícia Civil de Parauapebas instaurou inquérito para investigar a morte de um bebê de oito meses que chegou sem vida ao Hospital Municipal na noite de sexta-feira (12). Inicialmente foi levantada a suspeita de estupro da criança, mas a mãe recebeu laudo provisório do Instituto Médico Legal (IML) apontando a causa da morte como trauma crânio encefálico e hemorragia intracraniana.

A suspeita – até o momento não comprovada – de que a criança havia sido estuprada surgiu durante o atendimento hospitalar e rapidamente circulou por redes sociais, o que assustou os familiares devido à gravidade da acusação. Com o laudo provisório em mãos, Adriana Fonseca Alves, mãe do bebê, decidiu se manifestar e defender a imagem da família.

“Essa história está nos difamando muito. A gente tomou um choque”, diz. Conforme ela, na sexta, o filho dormiu e mais tarde, quando ela foi verificar a criança, ela estava roxa e mole. A cunhada de Adriana correu para a casa de saúde com o bebê. A mãe foi em seguida e, chegando lá, encontrou policiais.  

Leia mais:

“Os médicos já estavam com a polícia e perguntando coisas íntimas, quem tinha mexido nele, quem tinha banhado ele, esse tipo de coisa. Disseram que tinha sinais de estupro na criança e por isso iam levar para o IML. Mas não tem nada a ver (com estupro), foi uma pressão intracraniana que aconteceu com o nosso bebê e tão dizendo que foi estupro. A gente está querendo justiça”, declara.

Conforme ela, apesar de a família morar em um conjunto de quitinetes, não há a possibilidade de algum vizinho ter tido contato com o bebê. “Eu cuido do meu filho. Tenho um de sete anos e esse novinho. Eu cuido muito bem dele e nem se pode dizer que foram vizinhos porque eu estava com ele”, afirma, lamentando a dimensão alcançada pela suspeita de estupro.

“É muito difícil saber que a população trata a gente dessa forma por um simples boato que eles escutaram. Nós somos ótimos pais, infelizmente aconteceu isso e a gente está sofrendo muito. Gostaria que respeitassem a nossa dor e entendessem o que está acontecendo”, finaliza.

Tanto a mãe quanto o pai prestaram depoimento ao delegado plantonista, Felipe Oliveira, e relataram que a criança já passou por diversos tratamentos médicos por problemas de saúde. O laudo definitivo do IML deverá ser expedido em até 30 dias. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Cães da Guarda Municipal localizam drogas outra vez

Cães da Guarda Municipal localizam drogas outra vez

A Polícia Militar e a Guarda Municipal apreenderam quase 6 quilos de drogas (mais de 4 kg de maconha e…
Mandante e executor são presos pela Civil

Mandante e executor são presos pela Civil

Dois homens foram presos acusados de envolvimento na morte do traficante Danielson Moreira Carvalho, o Dani, 30 anos, executado com…
Matador de jovem em fila de mercado pega 12 anos

Matador de jovem em fila de mercado pega 12 anos

Esta semana, o Tribunal do Júri, em Marabá, condenou a 12 anos de prisão, Geilson Cezário de Souza a 12…
Mais cinco morrem em confronto com a PM

Mais cinco morrem em confronto com a PM

Cinco acusados de integrar a facção criminosa Comando Vermelho (CV) foram mortos a tiros durante confronto com a polícia na…
Defensores de empresários e advogado falam sobre prisões em Parauapebas

Defensores de empresários e advogado falam sobre prisões em Parauapebas

Os advogados Geovane Oliveira Junior e Abraunienes Faustino de Sousa concederam entrevistas na tarde desta quarta-feira (23) se posicionando sobre…
Empresários e advogado são presos por prostituição de adolescentes em Parauapebas

Empresários e advogado são presos por prostituição de adolescentes em Parauapebas

A Polícia Civil cumpriu mandados de prisão contra os empresários Mauro de Souza Davi, o Marola, que atua na promoção…