Correio de Carajás

Camponeses do Pará pedem anistia e indenização ao Estado

Foto: reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados ouviu nessa segunda-feira (27) e terça-feira (28) depoimentos de camponeses da região de Piçarra, no sudeste do Pará, que afirmam ter sofrido perseguição e tortura por parte de agentes da ditadura militar.

Eles reivindicam a condição de anistiados e a indenização do Estado.

Após o fim da Guerrilha do Araguaia, em 1974, os colonos paraenses teriam sido mantidos sob vigilância para que não houvesse uma possível retomada das ações de grupos de esquerda na região.

Leia mais:

O agricultor Sidnei Ferreira de Oliveira, na época com 17 anos, conta que chegou a ser treinado pelos militares para combater a guerrilha, mas logo depois foi acusado de comunismo e terrorismo.

“A militar entrou em peso lá para arrebentar com todo mundo. Houve muita prisão de senhoras, inclusive minha irmã ela estava nos dias de ganhar neném, foi torturada, ganhou neném antes do tempo, da hora, entendeu, eu e muita família de lá. Eu presenciei pessoas sendo torturadas, criança, senhor.”

Além da vigilância e violência militar, os camponeses contam que passaram a ter as terras desapropriadas e ocupadas por agricultores aliados ao regime militar. Diante disso, em 1976, eles organizaram a chamada Revolta dos Perdidos. Entraram em confronto com grileiros de terra e agentes de segurança.

Na ocasião, cerca de 40 homens foram presos. Entre eles o agricultor Crispim Manuel Santana, hoje com 64 anos.

“A gente se revoltou porque tudo que a gente tinha estava ali. Eu fiquei preso em São Geraldo, uns quatro dias, mas pra mim foi um mês porque a gente não se alimentava, dormia no chão, umas 40 pessoas numa sala pequena, uns deitava, outro se levantava. Então, pra mim, quatro dias passou um ano.”

O presidente da Comissão de Anistia, Paulo Henrique Kuhn, esteve na audiência e se colocou a disposição dos camponeses paraenses, mas lembrou que já existem 13 mil requerimentos pendentes de análise e com prioridade na avaliação.

“O Ministério da Justiça estabeleceu uma portaria de análise objetiva dos processos que ainda estavam pendentes de enfrentamento. O critério escolhido obviamente foi o critério de protocolo. De modo que a Comissão de Anistia tem se empenhado bastante com as limitações que têm para fazer a análise dos processos mais antigos, antes.”

O deputado Luiz Couto, do PT da Paraíba, presidente da Comissão de Direitos Humanos, disse que o órgão acompanha o caso dos camponeses paraenses para cobrar que eles e outras vítimas do regime militar sejam devidamente reconhecidos.

“Enquanto não houver o reconhecimento das violações de direitos e a devida reparação, pelo Estado, de todas as vítimas continuaremos a cobrar do governo o cumprimento deste dever.”

Irene Gomes, advogada de defesa dos colonos ligados à Revolta dos Perdidos, afirma que entrará com pedidos de anistia e indenização para cerca de 300 pessoas, entre camponeses e familiares. As ações serão apresentadas no âmbito da Comissão de Anistia e da Justiça Federal.

(Fonte: Rádio Nacional)

Comentários

Mais

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

A administração pública de Parauapebas trabalha para resolver a situação dos indígenas venezuelanos da etnia Warao, que estão acampados há…
Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Logo após a execução do Hino Nacional, no Parque de Exposições, nesta sexta-feira, dia 18, o prefeito de Marabá, Tião…
Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

O Brasil estabeleceu um novo recorde nesta quinta-feira (17) ao aplicar 2.561.553 doses de vacinas contra a covid-19 em 24…
Vereador de Marabá entrega título de Honra ao Mérito ao presidente Bolsonaro

Vereador de Marabá entrega título de Honra ao Mérito ao presidente Bolsonaro

Antes de iniciar seu discurso, o presidente Jair Bolsonaro convidou para o palco o vereador Fernando Henrique, de Marabá, e…
Em Marabá, Bolsonaro exalta “propriedade sagrada” e critica o MST

Em Marabá, Bolsonaro exalta “propriedade sagrada” e critica o MST

Festejado por apoiadores em Marabá, que estiveram aos milhares acompanhando seus passos desde o desembarque no aeroporto local, o presidente…
Parauapebas começa a vacinar pessoas sem comorbidades a partir de 50 anos

Parauapebas começa a vacinar pessoas sem comorbidades a partir de 50 anos

Neste sábado (19) todas as unidades de saúde das zonas urbana e rural de Parauapebas abrem das 9 às 17…