Correio de Carajás

Câmara aprova alíquota de 3,5% para Cfem

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Após muita articulação de bastidores e muita discussão em plenário, finalmente a Câmara dos Deputados aprovou na noite de ontem, terça-feira, 21, a Medida Provisória 789, que elevou a alíquota da Compensação Financeira por Exploração de Recursos Minerais (Cfem) de 2% sobre o lucro líquido para 3,5% sobre o bruto.

O resultado, apesar de não ser o que era defendido pelos municípios mineradores, que lutavam por um percentual de 4%, foi muito comemorado, uma vez que a luta para alterar a alíquota já durava 30 anos.

A matéria agora segue para votação no Senado e precisa ser votada e aprovada ainda este mês. Caso contrário, perderá o efeito. Também precisam ser votadas ainda este mês as medidas provisórias (MPs) de números 790 e 791. A primeira altera o Código da Mineração e a segunda cria a Agência Nacional de Mineração (ANM).

Leia mais:

Pela Constituição, as jazidas e os depósitos minerais são bens da União. A atividade de mineração é autorizada sob o regime de concessão pública. Em contrapartida, as empresas que exploram os minérios têm que pagar uma compensação aos estados e municípios.

Além de mudar as alíquotas, a MP altera a base de cálculo em que a Cfem incidirá, o que deverá elevar a arrecadação, que hoje é de R$ 1,7 bilhão. Antes, a cobrança era sobre o faturamento líquido, equivalente ao total das receitas das vendas. Pelo texto, passa a ser a receita bruta, deduzidos os tributos.

“Fixamos a receita bruta, menos impostos, como base de cálculo. Outros países usam lucro líquido, mas a apuração é uma aventura contábil. A base de cálculo não pode dar margem à discussão, tem que ser certa e transparente”, afirmou o relator da matéria, deputado Marcus Pestana (PSDB-MG).

Em relação às alíquotas, fica mantida a variação de 0,2% a 3% de acordo com o tipo de mineral, com aumento para alguns tipos de mineral e redução para outros. Só o ferro, responsável por grande parte da produção mineral brasileira, que atualmente é de 2%, passará a 3,5%.

Pela MP 789, serão compensados, inclusive, os municípios que não têm jazidas de minério, mas que de alguma forma são impactados pela exploração, como terem que se adequar a uma estrada de ferro para escoamento da produção.

Com o novo percentual da alíquota, calculado sobre o valor bruto do ferro, a Cfem de Parauapebas saltará de cerca de R$ 4,6 bilhões para aproximadamente R$ 9 bilhões. Caso a MP 789 seja aprovada agora pelo Senado, o prefeito Darci Lermen pensa em criar um fundo para gerenciar os recursos da compensação. “A Cfem tem que financiar o futuro de Parauapebas”, ressalta o prefeito, que agora foca suas forças na mobilização junto aos Senadores, pela aprovação da matéria.

Um dos que comemorou muito aprovação da MP foi o presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, vereador Elias Ferreira, o Elias Construforte (PSB). Ele destaca que primeira vitória nessa batalha só foi possível pela união dos municípios mineradores e dos impactados pela mineração, aliada também a união dos poderes Legislativo, Executivo e da sociedade.

“Foram dias de muito trabalho e articulação política para que conseguíssemos reunir os municípios diretamente envolvidos nesta questão. Nos reunimos com muitos deputados para pedir apoio e para mostrar de que maneira as cidades mineradoras seriam beneficiadas com a aprovação. Apesar de não ser os 4% previstos no projeto inicial, haverá um aumento considerável nas receitas do município”, destaca Elias.

A votação da MP mobilizou Parauapebas, que ficou ligada na movimentação que aconteceu em Brasília e na votação da matéria. Um telão foi montado às proximidades da portaria de acesso ao Núcleo de Carajás, para que a população pudesse acompanhar a votação. O prefeito Darci Lermen decretou ponto facultativo nas repartições municipais para que os servidores também pudessem acompanhar a votação.

Em plenário a discussão foi grande sobre o percentual da alíquota. A maioria dos partidos queria que essa alíquota fosse de 4%, conforme parecer original do relator. No entanto, houve um impasse diante da pressão de grandes mineradoras.

A sessão chegou a ser suspensa temporariamente pelo vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG), que conduzia os trabalhos, para que os partidos chegassem a um consenso. Após muita discussão, venceu o percentual de 3,5% e a matéria foi aprovada.

A proposta de 3,5% foi fechada após se entender que um percentual maior, ante a pressão das mineradoras, dificilmente passaria no Senado. (Tina Santos)

 

Fotos: Divulgação

Após muita articulação de bastidores e muita discussão em plenário, finalmente a Câmara dos Deputados aprovou na noite de ontem, terça-feira, 21, a Medida Provisória 789, que elevou a alíquota da Compensação Financeira por Exploração de Recursos Minerais (Cfem) de 2% sobre o lucro líquido para 3,5% sobre o bruto.

O resultado, apesar de não ser o que era defendido pelos municípios mineradores, que lutavam por um percentual de 4%, foi muito comemorado, uma vez que a luta para alterar a alíquota já durava 30 anos.

A matéria agora segue para votação no Senado e precisa ser votada e aprovada ainda este mês. Caso contrário, perderá o efeito. Também precisam ser votadas ainda este mês as medidas provisórias (MPs) de números 790 e 791. A primeira altera o Código da Mineração e a segunda cria a Agência Nacional de Mineração (ANM).

Pela Constituição, as jazidas e os depósitos minerais são bens da União. A atividade de mineração é autorizada sob o regime de concessão pública. Em contrapartida, as empresas que exploram os minérios têm que pagar uma compensação aos estados e municípios.

Além de mudar as alíquotas, a MP altera a base de cálculo em que a Cfem incidirá, o que deverá elevar a arrecadação, que hoje é de R$ 1,7 bilhão. Antes, a cobrança era sobre o faturamento líquido, equivalente ao total das receitas das vendas. Pelo texto, passa a ser a receita bruta, deduzidos os tributos.

“Fixamos a receita bruta, menos impostos, como base de cálculo. Outros países usam lucro líquido, mas a apuração é uma aventura contábil. A base de cálculo não pode dar margem à discussão, tem que ser certa e transparente”, afirmou o relator da matéria, deputado Marcus Pestana (PSDB-MG).

Em relação às alíquotas, fica mantida a variação de 0,2% a 3% de acordo com o tipo de mineral, com aumento para alguns tipos de mineral e redução para outros. Só o ferro, responsável por grande parte da produção mineral brasileira, que atualmente é de 2%, passará a 3,5%.

Pela MP 789, serão compensados, inclusive, os municípios que não têm jazidas de minério, mas que de alguma forma são impactados pela exploração, como terem que se adequar a uma estrada de ferro para escoamento da produção.

Com o novo percentual da alíquota, calculado sobre o valor bruto do ferro, a Cfem de Parauapebas saltará de cerca de R$ 4,6 bilhões para aproximadamente R$ 9 bilhões. Caso a MP 789 seja aprovada agora pelo Senado, o prefeito Darci Lermen pensa em criar um fundo para gerenciar os recursos da compensação. “A Cfem tem que financiar o futuro de Parauapebas”, ressalta o prefeito, que agora foca suas forças na mobilização junto aos Senadores, pela aprovação da matéria.

Um dos que comemorou muito aprovação da MP foi o presidente da Câmara Municipal de Parauapebas, vereador Elias Ferreira, o Elias Construforte (PSB). Ele destaca que primeira vitória nessa batalha só foi possível pela união dos municípios mineradores e dos impactados pela mineração, aliada também a união dos poderes Legislativo, Executivo e da sociedade.

“Foram dias de muito trabalho e articulação política para que conseguíssemos reunir os municípios diretamente envolvidos nesta questão. Nos reunimos com muitos deputados para pedir apoio e para mostrar de que maneira as cidades mineradoras seriam beneficiadas com a aprovação. Apesar de não ser os 4% previstos no projeto inicial, haverá um aumento considerável nas receitas do município”, destaca Elias.

A votação da MP mobilizou Parauapebas, que ficou ligada na movimentação que aconteceu em Brasília e na votação da matéria. Um telão foi montado às proximidades da portaria de acesso ao Núcleo de Carajás, para que a população pudesse acompanhar a votação. O prefeito Darci Lermen decretou ponto facultativo nas repartições municipais para que os servidores também pudessem acompanhar a votação.

Em plenário a discussão foi grande sobre o percentual da alíquota. A maioria dos partidos queria que essa alíquota fosse de 4%, conforme parecer original do relator. No entanto, houve um impasse diante da pressão de grandes mineradoras.

A sessão chegou a ser suspensa temporariamente pelo vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG), que conduzia os trabalhos, para que os partidos chegassem a um consenso. Após muita discussão, venceu o percentual de 3,5% e a matéria foi aprovada.

A proposta de 3,5% foi fechada após se entender que um percentual maior, ante a pressão das mineradoras, dificilmente passaria no Senado. (Tina Santos)

 

Fotos: Divulgação

Comentários

Mais

MST bloqueia estradas em manifestações no Dia Nacional da Reforma Agrária

MST bloqueia estradas em manifestações no Dia Nacional da Reforma Agrária

A manhã deste sábado (17) marcou o início de protestos por parte do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) e da…
General Silva e Luna é confirmado no comando da Petrobras

General Silva e Luna é confirmado no comando da Petrobras

O nome do general Joaquim Silva e Luna foi confirmado para o cargo de presidente da Petrobras. A informação foi…
Procedimentos para instalação da CPI serão divulgados na segunda

Procedimentos para instalação da CPI serão divulgados na segunda

A presidência do Senado divulgará na próxima segunda-feira (19) o cronograma da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia. Esse…
Mariana Chamon apresenta balanço dos primeiros 100 dias de governo

Mariana Chamon apresenta balanço dos primeiros 100 dias de governo

Passados 100 dias do início do governo Mariana Chamon, em Curionópolis, a prefeita apresentou na manhã desta sexta-feira (16) o…
Acordo sela nome de Renan para relator da CPI da Covid, diz blog

Acordo sela nome de Renan para relator da CPI da Covid, diz blog

Os senadores da CPI da Covid-19 fecharam nesta sexta-feira acordo para a composição dos cargos de comando da CPI da…
Estado altera bandeiramento no Oeste para laranja e começa a amenizar medidas restritivas

Estado altera bandeiramento no Oeste para laranja e começa a amenizar medidas restritivas

O governador Helder Barbalho anunciou em suas redes sociais, na noite desta quinta-feira (15), que as regiões do Baixo Amazonas…