Correio de Carajás

Bolsonaro adverte STF e critica operação da PF por supostas fake news: “Chega”

Presidente Jair Bolsonaro: “Mais um dia triste na nossa história. Mas o povo tenha certeza, foi o último dia triste”/ Foto: Carolina Antunes/PR
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
https://www.youtube.com/watch?v=gKDQhKj7nEY

Em um discurso demarcador de território na manhã desta quinta-feira, dia 28 de maio, o presidente Jair Bolsonaro criticou a autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a operação deflagrada ontem, quarta-feira (27) pela Polícia Federal.

Segundo o chefe do Executivo, tudo tem um limite.  Em meio a entrevista de imprensa ele enviou um recado direto à corte dizendo que “Não teremos outro dia como ontem”.

“Ninguém mais do que eu, cada vez mais tem demonstrado que tem um compromisso com a democracia, com a liberdade. Agora, as coisas têm um limite. Ontem foi o último dia. Eu peço a Deus que ilumine as poucas pessoas que possam se julgar melhor e mais poderosas do que os outros, que se coloquem no seu devido lugar, que nós respeitamos. E (vou) dizer mais: Não podemos falar em democracia sem um Judiciário independente, sem um Legislativo independente, para que possa tomar decisões, não monocraticamente por vezes, mas são questões que interessam ao povo como um todo, que tomem, mas de modo que seja ouvido o colegiado. Acabou, porra! Me desculpem o desabafo. Acabou. Não dá para admitir mais a atitude individuais de certas pessoas, tomando de forma quase que pessoal, certas ações”, apontou.

Leia mais:

Segundo ele, a medida tomada pelo Supremo visa retirar sua visibilidade na mídia: “Querem tirar a mídia que tenho a meu favor sob o argumento mentiroso de fake news”, disse o presidente.

Em outro trecho, ele afirmou: “Essa historinha de querer inventar, criminalizar o crime de ódio é um artifício para censurar a mídia social. Essa mídia social me trouxe à presidência. Sem ela, não estaria aqui”, completou.

Bolsonaro se referiu à operação como “um dia triste”, mas disse que “será o último”.

“Mais um dia triste na nossa história, mas o povo tenha certeza. Foi o último dia triste. Nós queremos a paz, a harmonia, independência, respeito e democracia acima de tudo. A liberdade de expressão é algo sagrado entre vocês [imprensa] e também entre a mídia alternativa. Nós não podemos ficar apenas tendo a nossa disposição um lado, a mídia tradicional ou a mídia social, os dois lados vão conviver”.

Comentários

Mais

É preciso capacitar professores para mundo pós-pandemia, diz ministro

É preciso capacitar professores para mundo pós-pandemia, diz ministro

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse hoje (16) que é preciso capacitar os professores para o mundo pós-pandemia de covid-19. A…
Governo federal autoriza complemento ao orçamento do Censo 2022

Governo federal autoriza complemento ao orçamento do Censo 2022

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou hoje (15) que a Secretaria Especial do Tesouro e Orçamento autorizou…
Presidente diz que determinará redução da bandeira tarifária na luz

Presidente diz que determinará redução da bandeira tarifária na luz

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na noite desta quinta-feira (14) que determinará ao Ministério de Minas e Energia (MME) que…
Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate à sífilis

Ministério da Saúde lança campanha nacional de combate à sífilis

O Ministério da Saúde (MS) lançou hoje (14) nova edição da Campanha Nacional de Combate às Sífilis, reunindo ações para promover o…
Ministérios investem em projetos científicos sobre famílias

Ministérios investem em projetos científicos sobre famílias

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), vinculada ao Ministério da Educação, e o Ministério da Mulher,…
Câmara aprova crédito suplementar de R$ 235,3 milhões

Câmara aprova crédito suplementar de R$ 235,3 milhões

A Câmara dos Deputados aprovou hoje (14) uma Medida Provisória (MP) 1054/2021 abrindo crédito suplementar no valor de R$ 235,3 milhões para os…