Correio de Carajás

Bebê paraense vai tomar o remédio mais caro do mundo, que custa R$ 12 milhões

Pais fizeram campanha para conseguir medicamento de Heitor Luz, o mais caro do mundo. — Foto: Arquivo pessoal

ESPERANÇA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A criança é portadora do AME que é uma doença neuromuscular degenerativa e progressiva sem tratamento até pouco tempo

Após meses de incertezas e de uma intensa campanha para arrecadar dinheiro para o tratamento do pequeno Heitor Luz, de 1 ano e 11 meses, a Justiça decidiu que o garoto deve receber o medicamento Zolgensma, que custa R$ 12 milhões. Heitor foi diagnosticado com Atrofia Muscular Espinhal (AME) tipo 1 e teria que tomar a dose única do remédio até os 2 anos de idade.

“Estou com coração mais aliviado. Graças a Deus a gente conseguiu, vamos ter um paraense que vai receber a terapia gênica da doença”, disse emocionada a mãe, Daniele Silva.

Eles embarcam na próxima segunda-feira (26) para Curitiba (PR). E está marcado para o dia 12 de agosto – sete dias antes de o bebê completar os 2 anos – a aplicação da dose única do Zolgensma.

Leia mais:

A AME é uma doença neuromuscular degenerativa e progressiva sem tratamento até pouco tempo, que afeta 1 em cada 10 mil bebês nascidos no mundo.

De acordo com o registro da Anvisa, o Zolgensma é usado para tratar somente crianças de até 2 anos diagnosticadas com atrofia muscular espinhal (AME) tipo 1, a forma mais grave da doença e que geralmente causa a morte antes dessa idade.

“A gente fazia campanha nas redes sociais e arrecadamos R$ 241 mil. Entrei com processo contra a União para complementar com o valor que faltava. Em abril, a gente conseguiu a liminar favorável, mas eles recorreram. Agora a juíza intimou a depositarem o valor para compra da medicação”, relata Daniela, que já recebeu o valor que faltava.

Tratamento genético

 

De acordo com o neurologista pediátrico Rodrigo Reis, membro do corpo clínico da Faculdade de Medicina do ABC, “o Zolgensma modifica o DNA do paciente e cria uma cópia funcional, isso em uma única dose. Teoricamente, estamos falando em cura da AME tipo 1, apesar de muito provavelmente as crianças ainda precisarem de atenção multidisciplinar, como fisioterapia e fonoaudiologia”, afirma Reis.

O Zolgensma é o segundo medicamento disponível no Brasil para tratar AME, mas é o primeiro tratamento genético da doença, capaz de reparar genes do DNA do paciente. (Fonte:G1)

Comentários

Mais

Rede estadual retoma aulas no início de agosto

Rede estadual retoma aulas no início de agosto

A redução do número de novos casos e de óbitos por Covid-19, bem como a adesão à vacinação contra o…
Clarice, a jovem que anda nua em Parauapebas, não está abandonada

Clarice, a jovem que anda nua em Parauapebas, não está abandonada

Uma cena comum em Parauapebas e que choca muita gente é a de uma mulher andando sem roupas pelas ruas…
Mãe pede ajuda para comprar cadeira de banho para o filho

Mãe pede ajuda para comprar cadeira de banho para o filho

Com grande parte do corpo atrofiado, conseguindo movimentar apenas uma das mãos e a cabeça, o jovem Handriw Rafael Vasconcelos…
Intervalo maior de doses da vacina Pfizer aumenta níveis de anticorpos

Intervalo maior de doses da vacina Pfizer aumenta níveis de anticorpos

Um intervalo maior entre as duas doses da vacina da Pfizer contra a covid-19 proporciona um nível maior de anticorpos…
Estudo: anticorpos de quem teve covid-19 não protegem contra variante

Estudo: anticorpos de quem teve covid-19 não protegem contra variante

Estudo internacional com participação de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) revela um mecanismo que explica o motivo pelo…
Receita libera consulta a terceiro lote de restituição do IR

Receita libera consulta a terceiro lote de restituição do IR

A partir das 10h de hoje (23), o contribuinte que entregou a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física até meados de maio poderá saber…