Correio de Carajás

Bebê morre no Materno e pai acusa hospital de negligência

Com 41 semanas de gestação e impossibilitada de ter o filho de parto normal, Patrícia Mendes da Silva, 24 anos, foi mais uma vítima do que a família está denominando de “negligência da equipe médica do Hospital Materno Infantil”. É o que relata seu companheiro, Lucas Borges Chavito, 23 anos.

Para o Correio de Carajás, Lucas conta que a mulher avisou a equipe médica que não poderia – e nem queria – parto normal, e mesmo assim, desde a tarde do último sábado, 16, foi induzida, através de medicamentos, para que tivesse o filho, José Lucas Mendes Chavito, de parto normal.

“Por volta das 22h30 decidiram forçar o parto. Ela não estava sentindo nenhum tipo de dor ou contração. Colocaram ela em uma sala, pediram para que fizesse força para colocar o bebê pra fora. Eles estavam com um aparelho que ouvia os batimentos dele e estava tudo normal. O problema aconteceu no parto. Forçaram tanto que o bebê acabou morrendo”, lamenta Chavito.

Leia mais:

De acordo com a informação repassada ao pai pela equipe médica do HMI, uma das causas da morte do bebê, que seria o primeiro filho do casal, pode ter sido falta de oxigênio no cérebro.
“Acredito que houve negligência, porque eles sabiam que não dava para ter parto normal e mesmo assim induziram. Ela relatou que não dava conta e mesmo assim mandaram ela fazer força. Percebo que no HMI as pessoas não têm muita opção de escolha. Você pode falar o tanto que for que não dá pra ser parto normal ou apenas que não quer, mas mesmo assim eles vão induzir. É sempre do jeito que eles querem”, finaliza, indignado.

Lucas registrou um boletim de ocorrência contra o Hospital Materno Infantil e pede por justiça. O caso está sendo encaminhado, também, ao Ministério Público Estadual.

MP CONTRA VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA
Com objetivo de evitar a violência obstétrica, o Ministério Público do Estado do Pará expediu uma Recomendação, na sexta-feira (15), para acompanhar e fiscalizar, de forma continuada, as medidas adotadas no atendimento na área da saúde materna o município de Marabá. O documento foi expedido pela promotora de Justiça Mayanna Queiroz.

A Recomendação foi encaminhada ao prefeito de Marabá, à Secretária Municipal de Saúde e à Direção do Hospital Materno Infantil. Além dessa iniciativa, o Ministério Público vem fiscalizando a política pública de saúde Hospital Materno Infantil desde 2021, por meio do Procedimento Administrativo 000507-940/2021, com o objetivo de garantir o parto humanizado.

Dentre as medidas recomendadas, estão: o cumprimento do direito da parturiente ao acompanhante, previsto na Lei n° 11.108/2015; o apoio e manutenção dos programas desenvolvidos para melhoraria dos cuidados da saúde materna; a publicidade dos direitos das mulheres a uma assistência digna e respeitosa durante toda a gravidez e parto; a adoção de ações positivas dispostas na “Declaração de prevenção e Eliminação de Abusos, Desrespeito e Maus-tratos durante o parto em instituições de saúde”, que reconhece a ocorrência de violência física, verbal e maus tratos durante o parto; e adotem sistemas de responsabilização e apoio aos profissionais a fim de reprimir e prevenir violência obstétrica.

O não atendimento da Recomendação, sem justificativa, acarretará na responsabilização e no ajuizamento das medidas judiciais cabíveis, incluindo a responsabilização dos envolvidos, para garantia dos direitos fundamentais tratados. No prazo de 10 dias, devem ser prestadas as informações acerca da recomendação.

NOTA DA PREFEITURA
A Reportagem do CORREIO procurou a Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Marabá, que enviou a seguinte nota:
“A paciente foi internada no sábado (16), grávida de primeira gestação de 24 anos, com 41 semanas, com pré-natal completo sem intercorrências, segundo a paciente, sem comorbidades. Logo ela foi internada para indução do parto normal segundo o protocolo médico. Os exames e ultrassonografia – realizada ainda no dia 14.07- indicavam boa vitalidade com o peso fetal estimado em 3, 7 kg. No domingo por volta de meio dia a paciente iniciou o trabalho de parto apresentando dilatação de 6 centímetros e os batimentos do bebê se mantinham entre 110 e 160 dentro da normalidade. Após o início de trabalho a paciente passou a ser acompanhada pela equipe médica com todo acompanhamento protocolar e neste período não apresentou nenhum sinal de sofrimento fetal.

Por volta de 21h30 do domingo (17) a paciente estava em período expulsivo e foi otimizado o parto em função deste período ter sido prolongado. Após a saída da cabeça do bebê foi observado pela equipe médica uma distocia de ombro em função do peso do bebê e um nó verdadeiro de cordão umbilical. Foram realizadas manobras para o desprendimento do feto com finalização do parto nascimento as 22h22.

Após o nascimento, foi constatado pelo pediatra que o bebê não apresentava mais batimentos. A equipe médica começou o processo reanimação com massagens e aplicação de medicamentos próprios para a reanimação durante 20 minutos sem sucesso.

O hospital informa que durante o tempo desde a entrada até o pós parto a paciente foi acompanhada pela equipe do hospital, em nenhum momento o parto eminente apresentava qualquer anomalia. Ainda assim a equipe do HMI vai investigar internamente e rever todos os procedimentos feitos desde a entrada da paciente até o pós parto para esclarecer melhor o ocorrido.

O hospital Materno Infantil, está prestando toda assistência a família pelo fato ocorrido e a equipe está consternada e está à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos”.

(Da Redação)

Comentários

Mais

São falsas as alegações de médica que trata vacinação da covid em crianças como “assassinato em massa”

São falsas as alegações de médica que trata vacinação da covid em crianças como “assassinato em massa”

Falso É falso que vacinar crianças contra a covid-19 seja “assassinato em massa”, como afirma, em vídeo, uma médica que…
Rock in Rio estima receita acima de US$ 158 milhões

Rock in Rio estima receita acima de US$ 158 milhões

O Rock in Rio, que será realizado de 2 a 11 de setembro no Parque Olímpico, está agitando o setor…
Não há registro no TSE de suposta pesquisa que impede entrevistado de votar em Bolsonaro

Não há registro no TSE de suposta pesquisa que impede entrevistado de votar em Bolsonaro

Enganoso São enganosas postagens que procuram desacreditar as pesquisas eleitorais ao mostrar, em vídeo, uma suposta pesquisa sendo feita por…
Com apoio do Google, Correio de Carajás cria Núcleo de Checagem Eleitoral

Com apoio do Google, Correio de Carajás cria Núcleo de Checagem Eleitoral

Mais de 60 jornalistas de 31 veículos de notícias brasileiros começam hoje a atuar em núcleos de verificação e checagem…
Associações de produtores rurais fecham BR-230 em Uruará

Associações de produtores rurais fecham BR-230 em Uruará

A rodovia federal BR-230 continua interditada desde ontem (15) no município de Uruará. Na pauta de reivindicação proposta por quatro…
Passageiro quebra poltronas de avião em voo entre São Paulo e Recife; veja vídeo

Passageiro quebra poltronas de avião em voo entre São Paulo e Recife; veja vídeo

Um passageiro quebrou as poltronas do avião em um voo que saiu de São Paulo e aterrissou no Recife, no…