Correio de Carajás

Baixa procura por vacinas no Estado preocupa especialista

Foto: reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A procura por vacinas no Brasil tem caído e põe em risco a população. Dados preliminares do Ministério da Saúde (MS) mostram que até agosto de 2018, a cobertura vacinal de crianças abaixo de dois anos ainda não é a ideal, gira em torno de 50% e 70%, quando o ideal é acima de 90% ou 95%, a depender da vacina. O maior risco da evasão é a reintrodução de doenças já eliminadas no País e até mesmo a morte. O Pará figura entre os estados com menor cobertura vacinal de crianças de até 23 meses.

Segundo o médico infectologista Newton Belessi, historicamente as pessoas estão vivendo mais devido, em parte, as vacinas. Além de garantir uma vida mais longa e saudável, o vacinado também preserva a saúde de quem está no seu entorno, já que os riscos de transmissão de doenças caem substancialmente. “Temos mais de 60 diferentes infecções causadas pela ausência de vacinas, por isso não podemos desprezá-las, já que possuem um efeito gigantesco”, frisa.

No século passado, a não vacinação foi uma das três principais causas de morte no Brasil. Juntos, a varíola, o sarampo e a gripe mataram mais de um bilhão de pessoas. Hoje, estão erradicadas ou controladas, mas correm o risco de voltar se a população continuar obstruindo a vacinação.

Leia mais:

A cobertura começou a cair em 2014. Na opinião de Newton Belessi, o motivo é que antes tinha mais divulgação e mais campanhas de vacinação. No último dia 11, o MS lançou a campanha publicitária “Porque contra arrependimento não existe vacina”, na qual as peças são impactantes e mostram casos reais de pessoas que sofrem até hoje pela não vacinação.

FAKE NEWS

A desinformação provocada por boatos de que as vacinas não funcionam ou que trazem graves efeitos colaterais, o que já foi descartado pela área médica, também contribuem para a redução. Além disso, há outros motivos, como o próprio sucesso das vacinações que acabaram com as doenças e fazem as pessoas acharem que não precisam mais se imunizar. “A imunidade não é para sempre”, alerta Belessi.

(Fonte:Diário do Pará)

Mais

Post usa notícia de 2019 para parabenizar Bolsonaro por acordo Mercosul-UE, mas negociações estão paradas

Post usa notícia de 2019 para parabenizar Bolsonaro por acordo Mercosul-UE, mas negociações estão paradas

Investigado por: Verificado por:    É enganosa uma publicação no Facebook do dia 9 de maio de 2021, em um…
Estado regulariza cerca de 2.500 lotes dos bairros Liberdade e Independência

Estado regulariza cerca de 2.500 lotes dos bairros Liberdade e Independência

A Companhia de Habitação do Estado do Para (Cohab), ligada ao Governo do Estado, está trabalhando de forma célere para…
Filhote de jacaré surge em bueiro aberto na Folha 6

Filhote de jacaré surge em bueiro aberto na Folha 6

Um morador nada comum deu o “ar da graça” e surpreendeu a população da Folha 6. Um filhote de jacaré…
Tião Miranda publica Nota de Repúdio por pichação em sua residência

Tião Miranda publica Nota de Repúdio por pichação em sua residência

O prefeito Tião Miranda publicou, no final da tarde desta quinta-feira, 13, uma Nota de Repúdio contra manifestações de sindicalistas…
Pará recebe a maior remessa de vacinas contra Covid-19, com mais de 350 mil doses

Pará recebe a maior remessa de vacinas contra Covid-19, com mais de 350 mil doses

O Pará recebeu, na tarde desta quinta-feira (13), a maior remessa de doses de vacinas contra Covid-19,  com um total…
Descontos de IPVA para finais de placa 76 a 96 vão até 17 de maio

Descontos de IPVA para finais de placa 76 a 96 vão até 17 de maio

Os proprietários de veículos com final de placas 76 a 96 poderão pagar o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores…