Correio de Carajás

Audiência pública sobre políticas para mulheres causa controvérsia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Uma audiência pública realizada nesta terça-feira, dia 9 de maio, na Câmara Municipal de Marabá, foi marcada pela presença de diversos setores da sociedade e visava discutir políticas públicas nas áreas de saúde e segurança voltadas para a mulher. O presidente da Casa, Pedro Corrêa Lima, abriu os trabalhos e repassou a presidência para a vereadora Irismar Melo. Ao seu lado, as colegas vereadoras Priscila Veloso e Dra. Cristina Mutran também estavam à frente da audiência.

Juntas, as três vereadoras conseguiram garantir a participação da Secretaria de Estado de Saúde Pública, representada pelo diretor do 11º Centro Regional de Saúde de Marabá, Geraldo Barroso; da Câmara dos Deputados, através da deputada federal Júlia Marinho; da Assembleia Legislativa do Pará, através do deputado estadual Jaques Neves, presidente da Comissão de Saúde da Alepa; do Ministério Público Estadual, através da promotora Liliane Carvalho Rodrigues Oliveira; da Secretaria Municipal de Saúde, com a presença do secretário Marcone Leite; da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Subseção Marabá, com as advogadas Claudia Chini e Vilma Lemos; da Secretaria de Assistência Social, com a secretária adjunta Lanúsia Lobo Costa; Secretaria Municipal de Educação, através de Floripes Amaral; das delegadas Ana Paula, da Delegacia da Mulher, e Simone Felinto, representando a Superintendência de Polícia Civil do Sudeste do Pará; Coordenadoria da Mulher, com a coordenadora Júlia Rosa; Associação da Mulher Arco Íris da Justiça, com Rosalina Isoton;

Em sua apresentação inicial, a vereadora Irismar Melo disse que a essência da audiência é a participação das mulheres, reconhecendo que grupos isolados conseguem muito pouco. “Todas juntas serão importantes no processo de luta para ter atendimento especializado no atendimento às mulheres”.

Leia mais:

Ela apresentou panorama sobre a violência contra a mulher e lamentou que, em muitos casos, a cultura religiosa leve à má interpretação de que mulher deve ser submissa. Irismar falou sobre a violência contra mulher no Brasil, no Pará e em Marabá. “O maior vilão é a falta de informação em nosso município. A rede de enfrentamento precisa estar ao alcance da mulher onde ela está. O que queremos é imperativo: respeito. Precisamos da Delegacia da Mulher funcionando aos finais de semanas, espaço para acolhimento de mulheres em situação de risco, um Centro de Referência especializado com atenção social, psicológica e orientação jurídica, além da instalação do Propas, do governo do Estado”.

Dra Cristina lamentou a escassez de recursos, mas advertiu que ela não impede uma parceria entre município e estado para melhorar serviços de saúde. Disse que o maior clamor das mulheres é o serviço de oncologia e que chegou a protocolar no gabinete dos 17 deputados federais, ministro da Saúde, Ricardo Barros, dos três senadores do Pará, e pediu ao ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, a implantação de um hospital oncológico em Marabá, cidade polo de uma região com mais de um milhão de habitantes.

Cristina Mutran disse que levantamento recente do TFD, mostra que 230 mulheres foram encaminhadas para o Hospital Ophir Loyola, em Belém, para tratamento de câncer. Destas, 66 são portadoras de câncer de mama e 82 de colo de útero. Em terceiro lugar vem câncer de pele, depois o de cabeça e pescoço. “Não é fácil se deslocar de Marabá para Belém por via rodoviária. São 684 quilômetros e quem acaba de fazer quimioterapia pega o ônibus de volta a Marabá e sofre na viagem com os efeitos colaterais. Se tivermos pelos menos uma casa de apoio para essas mulheres, já haverá um avanço. Precisamos colocar essa demanda no Plano Plurianual, para quando as mulheres terminarem a sessão de quimioterapia e radioterapia tenham um local de apoio”, disse ela, lembrando que uma diária oferecida pelo SUS para tratamento fora de domicílio é de apenas R$ 24,75.

A vereadora lamentou que até hoje o mamógrafo do Centro de Saúde Laranjeiras esteja encaixotado, mas ponderou que ele não funciona como máquina de lavar. É precisa preparo de uma sala para o aparelho ser colocando em funcionamento, inclusive uma empresa precisa ser licitada para realizar esse serviço de preparação da sala. “O mamógrafo do Crismu está funcionando, mas do HMM não. Além disso, é preciso agilizar o laudo da mamografia realizada”, cobrou Cristina Mutran.

A vereadora Priscila Veloso apresentou os trabalhos da Comissão de Direitos da Mulher da Câmara, a qual fez visitas ao Crismu, em 6 de março, para verificar a problemática daquele centro especializado em saúde da mulher e do Hospital Municipal.

Disse que para funcionar e atender demandas das mulheres, o Crismu precisa de mais dois médicos ginecologistas, e voltar a realizar laqueaduras no HMM. “A rede de assistência está lotada. Não se faz laqueadura por falta de leitos no Hospital Municipal. Quando uma mulher vai retirar o útero, não tem previsão para desocupar o leito. Essa cirurgia vive sempre sendo deixada para depois”.

Priscila Veloso pediu que o município restabeleça a parceria com o Hospital Militar (Hgumba) e fortaleça a ala ginecológica do HMM.

Os representantes de todas as entidades citadas acima usaram da palavra na audiência pública e apresentaram demandas que precisam ser solucionadas para beneficiarem as mulheres do município nas áreas de saúde e segurança.

Uma audiência pública realizada nesta terça-feira, dia 9 de maio, na Câmara Municipal de Marabá, foi marcada pela presença de diversos setores da sociedade e visava discutir políticas públicas nas áreas de saúde e segurança voltadas para a mulher. O presidente da Casa, Pedro Corrêa Lima, abriu os trabalhos e repassou a presidência para a vereadora Irismar Melo. Ao seu lado, as colegas vereadoras Priscila Veloso e Dra. Cristina Mutran também estavam à frente da audiência.

Juntas, as três vereadoras conseguiram garantir a participação da Secretaria de Estado de Saúde Pública, representada pelo diretor do 11º Centro Regional de Saúde de Marabá, Geraldo Barroso; da Câmara dos Deputados, através da deputada federal Júlia Marinho; da Assembleia Legislativa do Pará, através do deputado estadual Jaques Neves, presidente da Comissão de Saúde da Alepa; do Ministério Público Estadual, através da promotora Liliane Carvalho Rodrigues Oliveira; da Secretaria Municipal de Saúde, com a presença do secretário Marcone Leite; da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Subseção Marabá, com as advogadas Claudia Chini e Vilma Lemos; da Secretaria de Assistência Social, com a secretária adjunta Lanúsia Lobo Costa; Secretaria Municipal de Educação, através de Floripes Amaral; das delegadas Ana Paula, da Delegacia da Mulher, e Simone Felinto, representando a Superintendência de Polícia Civil do Sudeste do Pará; Coordenadoria da Mulher, com a coordenadora Júlia Rosa; Associação da Mulher Arco Íris da Justiça, com Rosalina Isoton;

Em sua apresentação inicial, a vereadora Irismar Melo disse que a essência da audiência é a participação das mulheres, reconhecendo que grupos isolados conseguem muito pouco. “Todas juntas serão importantes no processo de luta para ter atendimento especializado no atendimento às mulheres”.

Ela apresentou panorama sobre a violência contra a mulher e lamentou que, em muitos casos, a cultura religiosa leve à má interpretação de que mulher deve ser submissa. Irismar falou sobre a violência contra mulher no Brasil, no Pará e em Marabá. “O maior vilão é a falta de informação em nosso município. A rede de enfrentamento precisa estar ao alcance da mulher onde ela está. O que queremos é imperativo: respeito. Precisamos da Delegacia da Mulher funcionando aos finais de semanas, espaço para acolhimento de mulheres em situação de risco, um Centro de Referência especializado com atenção social, psicológica e orientação jurídica, além da instalação do Propas, do governo do Estado”.

Dra Cristina lamentou a escassez de recursos, mas advertiu que ela não impede uma parceria entre município e estado para melhorar serviços de saúde. Disse que o maior clamor das mulheres é o serviço de oncologia e que chegou a protocolar no gabinete dos 17 deputados federais, ministro da Saúde, Ricardo Barros, dos três senadores do Pará, e pediu ao ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, a implantação de um hospital oncológico em Marabá, cidade polo de uma região com mais de um milhão de habitantes.

Cristina Mutran disse que levantamento recente do TFD, mostra que 230 mulheres foram encaminhadas para o Hospital Ophir Loyola, em Belém, para tratamento de câncer. Destas, 66 são portadoras de câncer de mama e 82 de colo de útero. Em terceiro lugar vem câncer de pele, depois o de cabeça e pescoço. “Não é fácil se deslocar de Marabá para Belém por via rodoviária. São 684 quilômetros e quem acaba de fazer quimioterapia pega o ônibus de volta a Marabá e sofre na viagem com os efeitos colaterais. Se tivermos pelos menos uma casa de apoio para essas mulheres, já haverá um avanço. Precisamos colocar essa demanda no Plano Plurianual, para quando as mulheres terminarem a sessão de quimioterapia e radioterapia tenham um local de apoio”, disse ela, lembrando que uma diária oferecida pelo SUS para tratamento fora de domicílio é de apenas R$ 24,75.

A vereadora lamentou que até hoje o mamógrafo do Centro de Saúde Laranjeiras esteja encaixotado, mas ponderou que ele não funciona como máquina de lavar. É precisa preparo de uma sala para o aparelho ser colocando em funcionamento, inclusive uma empresa precisa ser licitada para realizar esse serviço de preparação da sala. “O mamógrafo do Crismu está funcionando, mas do HMM não. Além disso, é preciso agilizar o laudo da mamografia realizada”, cobrou Cristina Mutran.

A vereadora Priscila Veloso apresentou os trabalhos da Comissão de Direitos da Mulher da Câmara, a qual fez visitas ao Crismu, em 6 de março, para verificar a problemática daquele centro especializado em saúde da mulher e do Hospital Municipal.

Disse que para funcionar e atender demandas das mulheres, o Crismu precisa de mais dois médicos ginecologistas, e voltar a realizar laqueaduras no HMM. “A rede de assistência está lotada. Não se faz laqueadura por falta de leitos no Hospital Municipal. Quando uma mulher vai retirar o útero, não tem previsão para desocupar o leito. Essa cirurgia vive sempre sendo deixada para depois”.

Priscila Veloso pediu que o município restabeleça a parceria com o Hospital Militar (Hgumba) e fortaleça a ala ginecológica do HMM.

Os representantes de todas as entidades citadas acima usaram da palavra na audiência pública e apresentaram demandas que precisam ser solucionadas para beneficiarem as mulheres do município nas áreas de saúde e segurança.

Comentários

Mais

MST bloqueia estradas em manifestações no Dia Nacional da Reforma Agrária

MST bloqueia estradas em manifestações no Dia Nacional da Reforma Agrária

A manhã deste sábado (17) marcou o início de protestos por parte do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) e da…
General Silva e Luna é confirmado no comando da Petrobras

General Silva e Luna é confirmado no comando da Petrobras

O nome do general Joaquim Silva e Luna foi confirmado para o cargo de presidente da Petrobras. A informação foi…
Procedimentos para instalação da CPI serão divulgados na segunda

Procedimentos para instalação da CPI serão divulgados na segunda

A presidência do Senado divulgará na próxima segunda-feira (19) o cronograma da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia. Esse…
Mariana Chamon apresenta balanço dos primeiros 100 dias de governo

Mariana Chamon apresenta balanço dos primeiros 100 dias de governo

Passados 100 dias do início do governo Mariana Chamon, em Curionópolis, a prefeita apresentou na manhã desta sexta-feira (16) o…
Acordo sela nome de Renan para relator da CPI da Covid, diz blog

Acordo sela nome de Renan para relator da CPI da Covid, diz blog

Os senadores da CPI da Covid-19 fecharam nesta sexta-feira acordo para a composição dos cargos de comando da CPI da…
Estado altera bandeiramento no Oeste para laranja e começa a amenizar medidas restritivas

Estado altera bandeiramento no Oeste para laranja e começa a amenizar medidas restritivas

O governador Helder Barbalho anunciou em suas redes sociais, na noite desta quinta-feira (15), que as regiões do Baixo Amazonas…