Correio de Carajás

Atenção Básica é porta de entrada para o atendimento à Saúde Mental

Em Parauapebas, por exemplo, as unidades básicas de saúde possuem equipes psicossociais

SUS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Oscilação de humor, dores inexplicáveis, dificuldade para dormir, falta ou excesso de apetite, esquecimento ou desatenção são fatores comumente ignorados e arrastados adiante, sem muito cuidado ou atenção porque pouco se sabe sobre atendimento à saúde mental na rede pública. Normalmente, o primeiro pensamento quando surge um alerta da necessidade de atendimento psicológico é quanto isso pode custar. A partir disso, quando os casos não são considerados tão graves, é natural as pessoas sequer procurarem o tratamento.

O que pouca gente sabe, contudo, é que esse acolhimento é realizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em Parauapebas, por exemplo, todas as unidades básicas de saúde da área urbana possuem equipes psicossociais, conforme explica o supervisor da Rede de Atenção Psicossocial, Wagner Dias Caldeira.

Wagner Caldeira explica como funciona a Rede de Atenção Psicossocial

“A atenção básica é a porta de entrada, inclusive para quem não sabe se está em crise. Se o familiar vê que a pessoa está com uma alteração de ansiedade, por exemplo, que dá tremores, taquicardia, e não sabe se vai ao posto, ao Caps (Centro de Atenção Psicossocial) ou se chama o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), deve procurar o posto de saúde. A Unidade Básica de Saúde é porta de entrada para tudo”, diz.

Leia mais:

O supervisor explica que as equipes atuando nestas unidades são formadas por psicólogos, assistentes sociais e nutricionistas, atendendo ao que preconiza o Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB), cuja portaria foi publicada em 2008 pelo Ministério da Saúde. Além disso, os médicos da atenção básica são capacitados para prescreverem a medicação adequada e encaminharem o atendimento ao profissional especializado, no caso o psiquiatra,  se houver exigência de maior atenção.

De 2016 até 2020 o atendimento em saúde mental nas unidades básicas teve considerável aumento. Os casos de uso de álcool aumentaram em 12,20% e os de outras drogas em 12,50% no período, embora o uso de outras drogas seja 38 vezes menor que o da bebida:  388 contra 14.810 em 2020. Caldeira pondera que os dados tratam de usuários e não necessariamente de pessoas que fazem uso problemático das substâncias.

O crescimento que mais chama a atenção, porém, é o de diagnósticos por problemas de saúde mental, de 76,72% entre 2016 e 2020, tendo aumentado de 67 atendimentos no primeiro ano contabilizado para 597 no ano passado.

Conforme o supervisor, que também é psicólogo, essa ampliação dos atendimentos foi percebida principalmente pela distribuição de mais equipes psicossociais e em decorrência da pandemia de coronavírus, que contribuiu para que o sofrimento mental se fizesse mais presente.

Caldeira informa que na atenção básica os casos mais comuns são transtornos ansiosos e depressivos em mulheres. “Quer dizer que a mulher sofre mais? Talvez não. É porque ela procura mais. Em relação aos homens, coincidentemente, o que aparece mais é uso de álcool e outras drogas. É a forma como a masculinidade e a feminilidade foram construídas. À mulher é permitido buscar a ajuda de uma amiga, de um psicólogo, de um pastor, etc.”, diz, informando que após a pandemia aumentaram os casos relacionados a estes dois transtornos, principalmente a ansiedade.

Já o homem, destaca, costuma procurar ajuda por questões relacionadas ao uso de álcool e outras drogas. “Para ele não é permitido, por conta da masculinidade, pedir ajuda. O homem também não conversa com o outro sobre as angústias, então parte para a bebida ou uso de outras drogas”, informa, acrescentando ser importante lembrar que a política de saúde mental é transversal e não lida apenas com pessoas apresentando transtorno mental.

“Pelo menos 3% dos usuários de álcool começam a apresentar problemas de uso prejudicial e essas pessoas precisam de tratamento, elas não podem ser excluídas. O uso do álcool é incentivado socialmente e é de baixo custo. É uma demanda que precisa ser mais incluída”, observa.

Caldeira lembra que outra parcela da população brasileira apresenta transtornos de persistência, considerados graves e que necessitam dos cuidados do Centro de Atenção Psicossocial, principalmente casos de esquizofrenia, paranoia, transtorno bipolar, transtornos de ansiedade grave e borderline.

Há, também, a preocupação com a ideação suicida, o comportamento autolesivo e as tentativas de suicídio. “Temos atendido muitos casos dessa natureza, principalmente entre adolescentes. É a faixa que mais cresce, que mais tenta suicídio e onde o assunto muitas vezes é banalizado, entendido como drama da adolescente, mas são pessoas que precisam de cuidado, por mais banal que pareça, porque ali existe um sofrimento”, alerta.

AINDA HÁ PARA ONDE AVANÇAR

A Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), foi instituída em 2011 por portaria do Ministério da Saúde e articula os demais serviços já existentes, além de ter criado novos.

O psicólogo detalha que ela inclui, por exemplo, o Samu, a UPA (Unidade de Pronto-Atendimento), os hospitais, pronto-socorro, CAPS e todas as unidades básicas de saúde. “As pessoas normalmente pensam que é só o CAPS ou serviços especializados, mas quando trabalhamos a perspectiva de rede trabalhamos todas as intensidades de sofrimento mental”, ilustra, esclarecendo que o sofrimento nem sempre é um transtorno.

“Se é leve, moderado, pode ser cuidado na atenção básica. Se passa a ficar grave, se começa a persistir, pode ser cuidado no CAPS. Se a pessoa está em crise, em surto, na via pública ou dentro de casa, pode ser acionado o Samu e vai para o pronto-socorro. Por fim, dependendo da situação, esse paciente pode ser internado nos leitos da clínica psicossocial”, resume, informando que o Hospital Geral de Parauapebas possui oito leitos dessa natureza.

Para o supervisor, o município está bem equipado em recursos humanos, mas ainda falta articulação no território. “Não é só com psicólogo, assistente social e médico que a gente faz saúde mental. A gente faz com a geração de emprego e renda, com moradia, com cultura, com literatura, tem a questão nutricional, então é o tudo. O transtorno mental é multifatorial”, defende.

Para melhorar esse cenário a partir da rede, adianta, a campanha a ser desenvolvida no Setembro Amarelo deste ano deve incluir ações junto às lideranças religiosas e aos cabeleireiros. “Os pastores, por exemplo, atendem muita gente com ideação suicida e com depressão. É bom que eles estejam minimamente instrumentalizados para fazerem a escuta dessas pessoas e as encaminharem para onde tem que encaminhar. Estamos querendo trabalhar com cabeleireiros porque eles escutam muito. A ideia é qualificar um pouco essas escutas para poderem encaminhar as pessoas para a rede, porque muita gente tem dúvidas”.

A possibilidade de  melhorar as políticas para as pessoas em sofrimento ou transtorno mental passa, também, pelo investimento público. Caldeira lembra que a manutenção do serviço em saúde mental é tripartite, ou seja, financiada pelas esferas federal, estadual e municipal. Em Parauapebas, entretanto, apenas duas delas estão cumprindo com o papel.

“Atualmente, o estado dá suporte técnico quando precisa, mas não tem entrado com nenhum aporte financeiro. Isso está sendo discutido agora para se colocar no orçamento do próximo ano. A União, especificamente, encaminha R$ 52 mil mensais para a manutenção do CAPS e aproximadamente R$ 40 mil para os leitos de internação psicossociais”. Nesse contexto, menos de R$ 100 mil mensais são aplicados pela União em recursos específicos. Parte dos serviços, contudo, são mantidos com o financiamento geral das unidades básicas de saúde e da assistência farmacêutica. O restante é coberto pela gestão municipal.

“Para melhorar esse cenário o estado precisa entrar com a parte dele e a gente precisaria usar menos remédio e menos médicos especialistas”, analisa o supervisor, afirmando que o psiquiatra, por exemplo, é necessário, mas não deveria ser empregado no atendimento a problemas simples, como uma insônia de dois ou três dias.

“Isso acaba criando uma demanda muito grande para médico especialista, que é caro. Por isso, estamos fazendo um trabalho com atenção básica para capacitar os médicos generalistas e estes cuidarem dos casos simples. Dessa forma, pretendemos usar menos remédios e temos que usar mais os recursos do território. Imagine termos projetos onde você insere pacientes com transtornos mentais severos e persistentes na zeladoria, no cuidado da cidade, ou fazendo alguma coisa que a Prefeitura possa comprar. Isso vai fazer bem para eles e pode ser muito mais barato que comprar remédios, que são caros”, finaliza. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Residentes do Cidade Jardim clamam por auxílio da gestão de Parauapebas

Residentes do Cidade Jardim clamam por auxílio da gestão de Parauapebas

Dentre os manifestantes que acamparam em frente à Prefeitura de Parauapebas de terça (3) para quarta (4) estavam moradores do…
Justiça determina que manifestantes deixem a Prefeitura de Parauapebas

Justiça determina que manifestantes deixem a Prefeitura de Parauapebas

O prefeito de Parauapebas Darci Lermen não se reuniu com os manifestantes que ocupam o prédio do Executivo e correu…
Moradores de 6 setores acampam na Prefeitura de Parauapebas

Moradores de 6 setores acampam na Prefeitura de Parauapebas

A manifestação iniciada na terça-feira (3) em frente à Prefeitura de Parauapebas não esmoreceu e continua ainda na tarde desta…
Principal emissor de carbono, Pará se compromete a reduzir 86% das emissões de gases do efeito estufa até 2036

Principal emissor de carbono, Pará se compromete a reduzir 86% das emissões de gases do efeito estufa até 2036

O Pará entrou nesta quarta-feira, 4, na lista de estados que aderiram à campanha Race to Zero (Corrida para o…
Primeira escola cívico-militar do sul do Pará é inaugurada em Redenção

Primeira escola cívico-militar do sul do Pará é inaugurada em Redenção

A primeira escola cívico-militar do sul do Pará foi inaugurada em Redenção, nesta terça-feira (3). Denominada Escola Municipal Cívico-Militar Eva…
Despejados do Nova Carajás protestam na Prefeitura de Parauapebas

Despejados do Nova Carajás protestam na Prefeitura de Parauapebas

A terça-feira (3) foi marcada por manifestações em Parauapebas, em que associações de diferentes bairros mandaram representantes para a porta…