Correio de Carajás

Armazenamento a -70°C é desafio para a vacina contra a Covid da Pfizer e da BioNTech, dizem especialistas

Foto: reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

As farmacêuticas Pfizer e BioNTech se tornaram, nesta quarta-feira (18), as primeiras a anunciarem a conclusão dos testes da fase 3 de umavacina contra Covid-19Os resultados dos testes com a BNT162b2 ainda não foram publicados em uma revista científica, mas foram considerados animadores, embora a empresa ainda tenha um desafio pela frente: contornar a necessidade de manter a vacina em temperatura inferior -70° C durante o transporte para que o imunizante não perca sua eficácia.

Em nota, a Pfizer afirma que já traçou estratégias para driblar a questão. “A companhia elaborou um plano logístico detalhado com ferramentas para apoiar o transporte eficaz, armazenamento e monitoramento contínuo da temperatura da potencial vacina contra a Covid-19. Para isso, foi desenvolvida uma embalagem especial (em formato de caixa) com temperatura controlada, fácil de transportar e manipular, que utiliza gelo seco para manter a condição de armazenamento recomendada (…) por até 15 dias”, disse a empresa.

A microbiologista e pesquisadora do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP), Natalia Pasternak, explica que a BNT162b2 poderá se tornar a primeira vacina no mudo produzida em larga escala feita com o RNA, método que usa parte do material genético do vírus para estimular o corpo a produzir defesa contra o Sars-Cov-2. Entretanto, a técnica exige cuidados extras no armazenamento.

Leia mais:

“O RNA é uma molécula fácil de sintetizar, trabalhar com ela é relativamente barato, tem muitas outras vantagens. Mas há um único problema: o RNA é uma molécula que degrada com facilidade e, por isso, requer mais cuidados de armazenamento” – Natalia Pasternak

Armazenamento e transporte

O epidemiologista da Faculdade de Medica da USP, Paulo Lotufo, explica que a maioria das vacinas que estamos acostumados a tomar são armazenadas entre 2º C e 8° C.

“A vacina que mais se aproximou de uma temperatura polar de armazenamento foi a Varicela, vacina contra a catapora, que precisa ser armazenada a -20 °C. Temos freezer para manter essa temperatura, mas mesmo assim não é fácil armazená-la. Imagina transportar uma vacina que precisa estar a -70° C”, compara Lotufo.

“Enquanto a Pfizer não resolver este problema de armazenamento, é impossível você transportar em escala mundial uma vacina que precisa ser mantida a -70°C, prefiro me manter cauteloso com a quanto à aplicação da vacina”, explica o epidemiologista.

Aumentar a temperatura

“Adaptar as cadeias de frio de armazenamento de vacina para -70° C é algo que nem países desenvolvidos conseguem com facilidade, não é algo trivial”, aponta Pasternak.

Por isso, a microbiologista afirma que, concluído os testes da fase 3, o próximo passo deverá ser adaptar a resistência da vacina ao armazenamento em temperatura mais altas.

“Não é fácil fazer esta adaptação, mas a Moderna, que também está desenvolvendo uma vacina de RNA, já conseguiu alcançar um armazenamento a -20° C e mantê-la em geladeira por até um mês”, diz.

A farmacêutica norte-americana Moderna anunciou, nesta segunda-feira (16), que sua candidata a vacina contra Covid-19, a mRNA-1273, é 94,5% eficaz na prevenção à doença. A Moderna ainda não terminou os testes de fase 3, contudo.

Próximos passos da BNT162b2

Há ao menos dois passos que a vacina ainda precisa cumprir para chegar até a população:

  1. Revisão da comunidade científica: Osdados divulgados nesta quarta pela Pfizer sobre os testes da fase 3 não foram submetidos a revisão da comunidade científica, critério para uma vacina entre com o pedido de registro junto aos órgãos reguladores de saúde.
  2. Registro pelos órgãos reguladores: vacinas podem ser comercializadas e disponibilizadas somente depois que os órgão reguladores de saúde analisem todos os dados de pesquisa e, ao final do processo, concedam o registro. No caso do Brasil, por exemplo, o órgão responsável pela análise e registro é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A Pfizer destacou que todos os dados de segurança exigidos pela agência americana de saúde, a Food and Drug Administration (FDA), para a Autorização de Uso de Emergencial foram alcançados. Com isso, a farmacêutica informou que pretende entrar com o pedido de uso emergencial da sua vacina “em poucos dias”, mas sem dar uma data específica.

Porém, mesmo com o uso emergencial, a vacina precisará passar pelo processo de validação do registro no FDA.

(Fonte:G1)

Comentários

Mais

“Não tem como não se emocionar”, diz devota de Nossa Senhora de Nazaré

“Não tem como não se emocionar”, diz devota de Nossa Senhora de Nazaré

Se tem um mês que certamente é o mais amado pelos paraenses é outubro, quando é celebrado o Círio de…
Sindecomar: Diretores denunciam presidente e falam em assédio moral

Sindecomar: Diretores denunciam presidente e falam em assédio moral

O Portal Correio de Carajás recebeu uma série de denúncias em desfavor do atual presidente do Sindicato dos Trabalhadores no…
Butantan recebe autorização para iniciar testes de soro anti-covid

Butantan recebe autorização para iniciar testes de soro anti-covid

O Instituto Butantan recebeu hoje (15) a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar, em humanos, testes complementares do…
“A faculdade é na sala de aula; é ela quem nos forma”, diz professora

“A faculdade é na sala de aula; é ela quem nos forma”, diz professora

Há muitas salas de aula de Marabá com educadores motivados – seja na rede pública ou privada. E são eles…
Teste de anticorpos não deve substituir vacina contra a covid, como sugere deputado do PR

Teste de anticorpos não deve substituir vacina contra a covid, como sugere deputado do PR

Falso São falsas as alegações do deputado estadual Ricardo Arruda (PSL-PR) em um vídeo em que ele afirma que os…
Tuíte engana ao dizer que vacina da Pfizer tem partículas contaminantes

Tuíte engana ao dizer que vacina da Pfizer tem partículas contaminantes

Enganoso É enganosa a publicação que circula nas redes sociais afirmando que há micropartículas contaminantes na vacina desenvolvida pela Pfizer…