Correio de Carajás

“Apuração obedece o rigor necessário”, diz Bordalo sobre Pau D’Arco

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Nesta segunda-feira (19), durante reunião com o governador em exercício, Zequinha Marinho, e com representantes de federações e associações de trabalhadores rurais e artistas sobre o andamento das investigações das dez mortes ocorridas na fazenda Santa Lúcia, em Pau D’Arco, no mês passado, o deputado estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Pará, confirmou que “a apuração vem obedecendo o rigor necessário”.

“É preciso identificar efetivamente quais os responsáveis por aquela aberração, mas é preciso preservamos as nossas polícias militar e civil, que são instituições inestimáveis e precisam ser preservadas, para que a população continue confiando nelas”, avaliou o deputado, ao comentar que confia no trabalho que vem sendo desenvolvido pelo delegado geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino. “Confio muito no delegado Firmino e até aqui não tenho nada que me conduza a desconfiar da seriedade do trabalho dele”.

Também participaram da reunião o secretário de Segurança Pública do Pará, Jeannot Jansen, e gestores dos demais órgãos vinculados ao sistema, como a Polícia Militar e o Instituto de Perícias Científicas “Renato Chaves”. O titular da Segup lembrou que há dois inquéritos instaurados – um pela Polícia Militar e outro pela Civil. “Os inquéritos tem o objetivo de elucidar como as mortes ocorreram de fato, com precisão, imparcialidade e celeridade, mas sem precipitação”, reiterou Jeannot Jansen.

Leia mais:

O governador em exercício, Zequinha Marinho, lembrou que as medidas aplicáveis ao caso estão sendo tomadas desde o princípio, mas que é necessário ter cautela até que as investigações sejam finalizadas. “O Estado está efetivamente empenhado na apuração rigorosa de tudo isso, como determinou o governador Simão Jatene desde o primeiro momento. E a sociedade pode confiar porque isso está sendo feito com a maior seriedade, rigor e transparência possível”, disse.

Zequinha Marinho também informou que sete pessoas – entre testemunhas oculares e familiares – já foram inseridas no programa de Proteção à Testemunha, e que os demais envolvidos ainda podem solicitar a mesma medida. “Nós nos manteremos a disposição dessas pessoas, por meio da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, assim como vem fazendo a Segup desde o começo das investigações, para que compareçam e requeiram aquilo que lhes é de direito”, disse.

Atualização – A Polícia Civil prossegue com o trabalho de investigação e desde o episódio, ocorrido no dia 24 de maio do mês passado, já foram ouvidas cerca de 50 pessoas, entre policiais, testemunhas e outras ligadas indiretamente ao fato ocorrido na fazenda Santa Lúcia. A Polícia Civil recebeu os laudos periciais na última semana, exceto o de balística, que deverá ser concluído até o final de julho, ou mais tardar o início de agosto.

A Polícia Civil já solicitou ao Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”, a reconstituição da operação que fez dez pessoas vítimas fatais – nove homens e uma mulher. Contudo, a área foi reocupada por pessoas ligadas aos invasores que estavam acampados na propriedade rural, o que impossibilita, no momento, a reprodução simulada dos fatos.

Participaram da reunião desta segunda-feira (19), em Belém, a coordenadora estadual e o coordenador geral da Federação Estadual dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Pará (FETRAF/PA), Viviane de Oliveira e Marcos Rochinski; o coordenador estadual da Comissão Pastoral da Terra, José Batista Afonso; a vice-presidente nacional da Central Única de Trabalhadores (CUT), Helena Foro; o presidente nacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (CONTAG), Aristides dos Santos; da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Pará (Fetagri), Ângela Conceição de Jesus; a coordenadora do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Ayla Dias Ferreira; José Neto, da Ordem dos Advogados do Brasil Seção Pará (OAB-Pará); Juliana Oliveira, da Defensoria Pública; Juliana Fontelles, do Instituto Paulo Fontelles, e os artistas Osmar Prado, Dira Paes e Ricardo Resende Figuera.

(Dani Filgueiras/Agência Pará)

Nesta segunda-feira (19), durante reunião com o governador em exercício, Zequinha Marinho, e com representantes de federações e associações de trabalhadores rurais e artistas sobre o andamento das investigações das dez mortes ocorridas na fazenda Santa Lúcia, em Pau D’Arco, no mês passado, o deputado estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Pará, confirmou que “a apuração vem obedecendo o rigor necessário”.

“É preciso identificar efetivamente quais os responsáveis por aquela aberração, mas é preciso preservamos as nossas polícias militar e civil, que são instituições inestimáveis e precisam ser preservadas, para que a população continue confiando nelas”, avaliou o deputado, ao comentar que confia no trabalho que vem sendo desenvolvido pelo delegado geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino. “Confio muito no delegado Firmino e até aqui não tenho nada que me conduza a desconfiar da seriedade do trabalho dele”.

Também participaram da reunião o secretário de Segurança Pública do Pará, Jeannot Jansen, e gestores dos demais órgãos vinculados ao sistema, como a Polícia Militar e o Instituto de Perícias Científicas “Renato Chaves”. O titular da Segup lembrou que há dois inquéritos instaurados – um pela Polícia Militar e outro pela Civil. “Os inquéritos tem o objetivo de elucidar como as mortes ocorreram de fato, com precisão, imparcialidade e celeridade, mas sem precipitação”, reiterou Jeannot Jansen.

O governador em exercício, Zequinha Marinho, lembrou que as medidas aplicáveis ao caso estão sendo tomadas desde o princípio, mas que é necessário ter cautela até que as investigações sejam finalizadas. “O Estado está efetivamente empenhado na apuração rigorosa de tudo isso, como determinou o governador Simão Jatene desde o primeiro momento. E a sociedade pode confiar porque isso está sendo feito com a maior seriedade, rigor e transparência possível”, disse.

Zequinha Marinho também informou que sete pessoas – entre testemunhas oculares e familiares – já foram inseridas no programa de Proteção à Testemunha, e que os demais envolvidos ainda podem solicitar a mesma medida. “Nós nos manteremos a disposição dessas pessoas, por meio da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, assim como vem fazendo a Segup desde o começo das investigações, para que compareçam e requeiram aquilo que lhes é de direito”, disse.

Atualização – A Polícia Civil prossegue com o trabalho de investigação e desde o episódio, ocorrido no dia 24 de maio do mês passado, já foram ouvidas cerca de 50 pessoas, entre policiais, testemunhas e outras ligadas indiretamente ao fato ocorrido na fazenda Santa Lúcia. A Polícia Civil recebeu os laudos periciais na última semana, exceto o de balística, que deverá ser concluído até o final de julho, ou mais tardar o início de agosto.

A Polícia Civil já solicitou ao Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”, a reconstituição da operação que fez dez pessoas vítimas fatais – nove homens e uma mulher. Contudo, a área foi reocupada por pessoas ligadas aos invasores que estavam acampados na propriedade rural, o que impossibilita, no momento, a reprodução simulada dos fatos.

Participaram da reunião desta segunda-feira (19), em Belém, a coordenadora estadual e o coordenador geral da Federação Estadual dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Pará (FETRAF/PA), Viviane de Oliveira e Marcos Rochinski; o coordenador estadual da Comissão Pastoral da Terra, José Batista Afonso; a vice-presidente nacional da Central Única de Trabalhadores (CUT), Helena Foro; o presidente nacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (CONTAG), Aristides dos Santos; da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Pará (Fetagri), Ângela Conceição de Jesus; a coordenadora do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Ayla Dias Ferreira; José Neto, da Ordem dos Advogados do Brasil Seção Pará (OAB-Pará); Juliana Oliveira, da Defensoria Pública; Juliana Fontelles, do Instituto Paulo Fontelles, e os artistas Osmar Prado, Dira Paes e Ricardo Resende Figuera.

(Dani Filgueiras/Agência Pará)

Comentários

Mais

Barbados se torna república e declara Rihanna heroína nacional

Barbados se torna república e declara Rihanna heroína nacional

Barbados se tornou oficialmente uma república na segunda-feira (29) à noite, em uma cerimônia na qual a rainha Elizabeth II deixou de ser…
Presidente Bolsonaro assina filiação ao PL

Presidente Bolsonaro assina filiação ao PL

O presidente Jair Bolsonaro se filiou hoje (30) ao Partido Liberal (PL). O ato de assinatura da ficha de filiação…
Governo pede devolução de auxílio emergencial recebido indevidamente

Governo pede devolução de auxílio emergencial recebido indevidamente

O Ministério da Cidadania envia até esta terça-feira (30) mensagens de celular (SMS) orientando a devolução voluntária de recursos recebidos…
Ministério lança campanha de combate ao mosquito da dengue

Ministério lança campanha de combate ao mosquito da dengue

O Ministério da Saúde lançou hoje (30) a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika e…
Congresso vota na segunda-feira regras de transparência nas emendas

Congresso vota na segunda-feira regras de transparência nas emendas

O Congresso Nacional analisa na próxima segunda-feira (29) o Projeto de Resolução nº 4/2021, que cria regras para a destinação de…
Alepa aprova novo mínimo de investimentos para PPP’s

Alepa aprova novo mínimo de investimentos para PPP’s

Os parlamentares aprovaram no dia 23 três Projetos de Lei do executivo estadual. O Projeto de Lei Complementar cria a…