Correio de Carajás

Anúncio de emprego gera confusão na porta do Sine de Parauapebas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
1 Visualizações

O anúncio de que uma empresa iria ofertar hoje (18) diversas vagas através do Sistema Nacional de Emprego (Sine) de Parauapebas levou diversas pessoas a madrugar na porta do órgão. Ao serem informadas que a empresa, na realidade, ainda iria concorrer à licitação para realização de uma obra para a Prefeitura de Parauapebas, a notícia gerou tumulto e confusão e um grupo tentou interditar a rua de acesso ao órgão, colocando fogo em galhos de árvores.

A Guarda Municipal e a Polícia Militar agiram rápido e impediram que os manifestantes ateassem fogo para obstruir a pista. Eles isolaram a área, liberada ao final da manhã.  No local, muitos desempregados reclamavam da falta de vagas para moradores da cidade, alegando que boa parte dos postos de trabalho que se abrem são preenchidos por pessoas que vêm de fora.

Segundo eles, a maioria das empresas que vem realizar obras no município já traz seus empregados, não ofertando vaga para quem é da cidade. Eles ainda voltaram a denunciar a existência de venda de vagas e indicação de empregos dentro do Sine. Denúncias rechaçadas pelo coordenador do órgão, José Brás.

Leia mais:

O coordenador garante que isso não existe e que desde que assumiu o órgão, no início do ano, não admite qualquer facilitação de indicação de emprego. “Não admito isso porque seria uma deslealdade com quem madruga aqui na porta do Sine em busca de uma vaga de emprego”, diz, fazendo questão de deixar claro que o Sine não emprega ninguém, apenas faz a intermediação, enviando os candidatos para as vagas que aparecem, de acordo com a exigência do empregador.

Sobre o anúncio de emprego que provocou a confusão, ele explica que houve a divulgação das vagas, mas a empresa já havia enviado comunicado esclarecendo que ela ainda estava participando de processo de licitação e, se ganhasse, iria ofertar cerca de 100 vagas para moradores de Parauapebas.  “Esse comunicado está fixado na entrada do Sine. Por isso eu não entendo o motivo dessa confusão”, frisa Brás. (Tina Santos)

O anúncio de que uma empresa iria ofertar hoje (18) diversas vagas através do Sistema Nacional de Emprego (Sine) de Parauapebas levou diversas pessoas a madrugar na porta do órgão. Ao serem informadas que a empresa, na realidade, ainda iria concorrer à licitação para realização de uma obra para a Prefeitura de Parauapebas, a notícia gerou tumulto e confusão e um grupo tentou interditar a rua de acesso ao órgão, colocando fogo em galhos de árvores.

A Guarda Municipal e a Polícia Militar agiram rápido e impediram que os manifestantes ateassem fogo para obstruir a pista. Eles isolaram a área, liberada ao final da manhã.  No local, muitos desempregados reclamavam da falta de vagas para moradores da cidade, alegando que boa parte dos postos de trabalho que se abrem são preenchidos por pessoas que vêm de fora.

Segundo eles, a maioria das empresas que vem realizar obras no município já traz seus empregados, não ofertando vaga para quem é da cidade. Eles ainda voltaram a denunciar a existência de venda de vagas e indicação de empregos dentro do Sine. Denúncias rechaçadas pelo coordenador do órgão, José Brás.

O coordenador garante que isso não existe e que desde que assumiu o órgão, no início do ano, não admite qualquer facilitação de indicação de emprego. “Não admito isso porque seria uma deslealdade com quem madruga aqui na porta do Sine em busca de uma vaga de emprego”, diz, fazendo questão de deixar claro que o Sine não emprega ninguém, apenas faz a intermediação, enviando os candidatos para as vagas que aparecem, de acordo com a exigência do empregador.

Sobre o anúncio de emprego que provocou a confusão, ele explica que houve a divulgação das vagas, mas a empresa já havia enviado comunicado esclarecendo que ela ainda estava participando de processo de licitação e, se ganhasse, iria ofertar cerca de 100 vagas para moradores de Parauapebas.  “Esse comunicado está fixado na entrada do Sine. Por isso eu não entendo o motivo dessa confusão”, frisa Brás. (Tina Santos)

Comentários

Mais

Brasil deve receber mais de 842 mil doses da vacina da Pfizer em junho

Brasil deve receber mais de 842 mil doses da vacina da Pfizer em junho

O Brasil vai receber 842.400 doses da vacina da farmacêutica Pfizer/BioNTech contra a covid-19. A informação foi dada pelos coordenadores…
Fórum discute desafios à garantia de direitos da pessoa idosa

Fórum discute desafios à garantia de direitos da pessoa idosa

Teve início hoje (13) o 1º Fórum Nacional da Pessoa Idosa. O evento, organizado pelo Ministério da Mulher, Família e…
Psicóloga orienta pais a ouvirem e validarem queixas dos filhos

Psicóloga orienta pais a ouvirem e validarem queixas dos filhos

Depois de todo o país se chocar com a morte do menino Henry, de 4 anos, no Rio de Janeiro,…
Sexta edição do FIA Cinefront estreia em plataforma de streaming nesta quinta

Sexta edição do FIA Cinefront estreia em plataforma de streaming nesta quinta

Com exibição em plataforma de streaming própria, a abertura oficial do 6º Festival Internacional Amazônida de Cinema de Fronteira, o…
Filhote de onça preta é resgatado em Novo Progresso

Filhote de onça preta é resgatado em Novo Progresso

Moradores de Novo Progresso, sudoeste do Pará, resgataram um filhote de onça preta. De acordo com testemunhas, o animal estava…
Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea

Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea

Pelo segundo mês consecutivo, o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda registrou, em março, alta da taxa para…