Correio de Carajás

Acusado de matar o padrasto encara júri

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Está acontecendo no Salão de Júri da Comarca de Marabá o julgamento de Edmilson Ribeiro de Souza, acusado de ter assassinado o padrasto, Antônio Ramos, em maio do ano passado. Conforme a denúncia do Ministério Público do Estado do Pará, no dia 19 daquele mês, pela tarde, o acusado havia discutido com a vítima.

Os dois viviam juntos na mesma propriedade e a discussão se deu porque Edmilson queria vender a área, contra a vontade da vítima. De acordo com o MP, na mesma tarde ele chegou a pegar uma foice e atacou Antônio, que conseguiu desviar do golpe.

À noite, por volta das 21 horas, a mãe e a esposa de Edmilson acordaram com barulhos vindos da cozinha e ao chegarem no local encontraram a vítima caída, com uma lesão na cabeça e suja de terra. Ao lado do corpo, havia um tijolo. A única pessoa na residência além das duas mulheres era o acusado.

Leia mais:

Na hora ele negou ter matado e disse que a vítima teve um infarto. Depois contou que a lesão na cabeça da vítima foi causada pela queda após passar mal. Testemunhas afirmaram, no entanto, terem ouvido a mãe do acusado questionar “meu filho, por que você fez isso com meu velho? Aquele tijolo no estava ali, Vou te pegar. Se a polícia vier aqui eu vou contar que foi você”. Ouviram, ainda, o próprio acusado dizer “já me livrei de um, agora quero ver quem me impede de vender a terra que tenho aqui”.

Edmilson acabou preso quase um mês depois, por força de prisão preventiva requerida pelo Departamento de Homicídios da Polícia Civil. Durante o processo, a perícia constatou que a vítima morreu devido a hemorragia intracraniana provocada por ação contunde. No interrogatório judicial, ele continuou negando o crome, afirmando que estava dormindo quando a mão o acordou dizendo que a vítima estava morrendo e pensou que tinha tido um enfarte.

Conforme o defendor público Allysson Castro, que atua no caso, apesar do Ministerio Público alegar que existem provas para condenar Edmilson, a Defesa entende que a acusação não procede. “Primeiro porque o acusado não teria motivos para matar seu próprio pai. Segundo porque o acusado não fugiu da cena do crime, tendo pedido ajuda para os vizinhos e demais familiares. Terceiro porque a mãe do acusado e esposa da vítima, que estava dentro da residência, em nenhum momento disse categoricamente que teria sido ele que matou a vítima, ao contrário, disse que a vítima teria morrido de uma queda, após ter se sentido mal. A defesa acredita que o Conselho de Sentença irá acolher as razões da Defensoria Pública e irá absolver o acusado pela negativa de autoria”, disse. (Luciana Marschall)

Está acontecendo no Salão de Júri da Comarca de Marabá o julgamento de Edmilson Ribeiro de Souza, acusado de ter assassinado o padrasto, Antônio Ramos, em maio do ano passado. Conforme a denúncia do Ministério Público do Estado do Pará, no dia 19 daquele mês, pela tarde, o acusado havia discutido com a vítima.

Os dois viviam juntos na mesma propriedade e a discussão se deu porque Edmilson queria vender a área, contra a vontade da vítima. De acordo com o MP, na mesma tarde ele chegou a pegar uma foice e atacou Antônio, que conseguiu desviar do golpe.

À noite, por volta das 21 horas, a mãe e a esposa de Edmilson acordaram com barulhos vindos da cozinha e ao chegarem no local encontraram a vítima caída, com uma lesão na cabeça e suja de terra. Ao lado do corpo, havia um tijolo. A única pessoa na residência além das duas mulheres era o acusado.

Na hora ele negou ter matado e disse que a vítima teve um infarto. Depois contou que a lesão na cabeça da vítima foi causada pela queda após passar mal. Testemunhas afirmaram, no entanto, terem ouvido a mãe do acusado questionar “meu filho, por que você fez isso com meu velho? Aquele tijolo no estava ali, Vou te pegar. Se a polícia vier aqui eu vou contar que foi você”. Ouviram, ainda, o próprio acusado dizer “já me livrei de um, agora quero ver quem me impede de vender a terra que tenho aqui”.

Edmilson acabou preso quase um mês depois, por força de prisão preventiva requerida pelo Departamento de Homicídios da Polícia Civil. Durante o processo, a perícia constatou que a vítima morreu devido a hemorragia intracraniana provocada por ação contunde. No interrogatório judicial, ele continuou negando o crome, afirmando que estava dormindo quando a mão o acordou dizendo que a vítima estava morrendo e pensou que tinha tido um enfarte.

Conforme o defendor público Allysson Castro, que atua no caso, apesar do Ministerio Público alegar que existem provas para condenar Edmilson, a Defesa entende que a acusação não procede. “Primeiro porque o acusado não teria motivos para matar seu próprio pai. Segundo porque o acusado não fugiu da cena do crime, tendo pedido ajuda para os vizinhos e demais familiares. Terceiro porque a mãe do acusado e esposa da vítima, que estava dentro da residência, em nenhum momento disse categoricamente que teria sido ele que matou a vítima, ao contrário, disse que a vítima teria morrido de uma queda, após ter se sentido mal. A defesa acredita que o Conselho de Sentença irá acolher as razões da Defensoria Pública e irá absolver o acusado pela negativa de autoria”, disse. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Caso Henry: as agressões, segundo a babá

Caso Henry: as agressões, segundo a babá

O novo depoimento de Thayná Ferreira, babá de Henry Borel, sobre supostas agressões de Dr. Jairinho contra o menino, trouxe mais detalhes da…
Homem agride e deixa hematoma na perna da companheira

Homem agride e deixa hematoma na perna da companheira

Mais um caso de violência doméstica foi registrado em Marabá. Na noite desta terça-feira (13), um homem agrediu sua companheira,…
Mulher que matou o marido já está solta

Mulher que matou o marido já está solta

Acredite: Greice Quele Leal dos Santos (27 anos), presa em flagrante pelo assassinato do companheiro dela, Alex Vilarins de Sousa…
Casal morre em acidente de trânsito na Transamazônica

Casal morre em acidente de trânsito na Transamazônica

Um casal morreu em trágico acidente de trânsito na Rodovia BR-230 (Transamazônica) na tarde de domingo (11). As vítimas foram…
Polícia Civil apreende mais de R$ 1 milhão em espécie durante operação contra o tráfico de drogas no Pará

Polícia Civil apreende mais de R$ 1 milhão em espécie durante operação contra o tráfico de drogas no Pará

A Polícia Civil realizou na manhã desta terça-feira (13), a operação ‘Farinha’ que investiga crimes de associação ao tráfico, milícia…
Embriagado, guarda municipal atira em via pública

Embriagado, guarda municipal atira em via pública

Um agente da Guarda Municipal foi preso acusado de estar atirando em via pública, enquanto embriagado e fora de serviço…