Correio de Carajás

A escultura que pouco a pouco envenenou sua criadora

A escultura Adão e a artista Gillian Gensen/ Foto: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

“Eu estava tão fraca, meu corpo estava tão debilitado, que eu pensava: ‘só quero terminar a obra antes de morrer'”.

Gillian Genser é uma artista plástica de Toronto, Canadá, passou anos enfrentando fortes dores de cabeça, crises de vômito e fraqueza, que ela sempre ligava a uma doença autoimune. Mas nunca havia se sentido tão mal como quando começou a trabalhar em uma escultura que representaria Adão, “o primeiro homem”.

“Eu me sentava em frente à obra e pensava: ‘minha vida está acabando'”, disse para a BBC. Ainda assim, estava determinada a completar a escultura – que levou 15 anos, ao todo, para completar. Até descobrir, mais tarde, que era essa peça que a estava adoecendo.

Leia mais:

O trabalho de Genser incorpora uma variedade de materiais naturais, como conchas, corais, ossos, chifres e crânios de animais – obtidos de forma ética. “Tenho um grande amor pela natureza. Ela é muitas vezes mais bela do que qualquer coisa que um artista poderia criar”.

Gillian Genser segura materiais naturais que usa para criar suas esculturas
O trabalho de Gillian Genser é feito a partir de materiais naturais

Durante 15 anos, Gillian trabalhou na escultura de Adão, usando um material que lhe pareceu perfeito: conchas de mexilhão azul, que vive nas águas da costa Atlântica do Canadá. “As conchas dos mexilhões eram perfeitas para fazer Adão. As estrias reproduzem de uma maneira tão bonita as fibras dos músculos.”

Sendo uma artista preocupada com o meio ambiente, Gillian estava encantada de poder esculpir com um material vindo de um ecossistema próximo. Além disso, se divertia com o jogo de palavras: “que os músculos sejam feitos de moluscos”.

Mas, durante a criação da obra, a saúde de Gillian começou a piorar rapidamente. Quando estava terminando a escultura, tinha sintomas de demência severa, dores que a imobilizavam, problemas de fala, desorientação espacial, perda de memória.

“Eu não podia seguir uma linha de pensamento. Tinha confusão espacial, então não podia girar um objeto nem entender onde podia colocá-lo”, relata. “Eu estava zangada, perturbada, ansiosa, desesperada e com instintos suicidas desesperadores.”

Adão, a escultura que envenenou a artista (Cortesia de Gillian Genser)
Adão, a escultura que envenenou a artista (Cortesia de Gillian Genser)

Arsênico e chumbo

Gillian então se consultou com diversos especialistas em neurologia e tomou medicamentos antipsicóticos e antidepressivos, mas nada parecia ajudá-la. Ao final, acabou sendo diagnosticada com envenenamento por metais pesados. Tinha no corpo níveis altos de arsênico. Depois, também encontraram chumbo.

Mas qual era a fonte do envenenamento? “Para ser justa com meus médicos, eles sempre me perguntavam se eu trabalhava com materiais tóxico. Eu sempre dizia que não, que todos eram materiais completamente naturais”.

Posteriormente, os especialistas identificaram que as culpadas eram as conchas dos mexilhões. Os mexilhões atraem e acumulam metais encontrados na água. São alguns dos organismos mais venenosos que existem.

Conchas de mexilhão
Gillian Genser cortou milhares de conchas de mexilhão, que podem ser extremamente tóxicas

Como cada estria da musculatura de Adão estava sendo feita a partir de fatias finas de conchas, Gillian havia cortado milhares delas ao longo dos anos. A poeira originada no corte das conchas ficou no ar, deixando a artista exposta às toxinas.

Isso pareceu irônico a Gillian, já que sua obra queria expressar com elementos naturais a distorcida relação entre humanos (nesse caso, o “primeiro homem”) e o meio ambiente.

Mas, mesmo com o diagnóstico, a artista sentiu que não podia abandonar a escultura e deixá-la incompleta. “Eu chegava à porta do meu ateliê chorando, porque eu sabia que as conchas estavam me envenenando. Mas eu não podia deixar a obra inacabada”.

Desde que terminou a escultura Adão, Gillian começou a trabalhar em outras obras. Mas, até hoje, convive com alguns dos efeitos do envenenamento.

Apesar de já não trabalhar mais com conchas de mexilhões, todas suas obras continuam sendo feitas com materiais que são tóxicos em algum nível. Porém, hoje a artista sabe que precisa tomar muito mais cuidado.

“Não posso seguir pelo caminho do arrependimento. Temos que seguir adiante e não olhar para trás. Se foi assim que a vida se desenrolou, que assim seja”.

Gillian Genser com as mãos dentro de um invólucro transparente, manipulando uma concha
Agora, Gillian toma mais precauções com os materiais que utiliza nas esculturas

(Fonte: BBC)

Mais

Companhia de Trânsito de Tucuruí destrói mais de 100 kadrons

Companhia de Trânsito de Tucuruí destrói mais de 100 kadrons

Como parte da programação do Maio Amarelo, mês dedicado à segurança no trânsito, a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano…
É falso tuíte afirmando que Pazuello viajou para os EUA com passaporte diplomático

É falso tuíte afirmando que Pazuello viajou para os EUA com passaporte diplomático

Falso É falso o tuíte que afirma que o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, tenha recebido um passaporte diplomático…
EUA autorizam vacina da Pfizer para faixa etária de 12 a 15 anos

EUA autorizam vacina da Pfizer para faixa etária de 12 a 15 anos

A Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos autorizou a vacina contra covid-19 da Pfizer e da parceira…
Quase 9% das mulheres sofreram alguma violência sexual, diz IBGE

Quase 9% das mulheres sofreram alguma violência sexual, diz IBGE

Pelo menos 8,9% das mulheres brasileiras já sofreram algum tipo de violência sexual na vida, segundo dados da Pesquisa Nacional da Saúde…
Pagamentos com cartões crescem 17% no primeiro trimestre

Pagamentos com cartões crescem 17% no primeiro trimestre

As transações por cartões (crédito e débito) registraram um aumento de 17,3% nos valores movimentados no primeiro trimestre deste ano…
Cadáveres não foram violados no Cemitério da Saudade, em Marabá

Cadáveres não foram violados no Cemitério da Saudade, em Marabá

Circulou nas redes sociais na manhã desta terça-feira (11) a foto de um caixão aberto, que possivelmente seria no Cemitério…