Correio de Carajás

Sefa apreende 12.500 vidros de palmito

A carga foi avaliada em R$ 21 mil e foi lavrada autuação no valor de R$ 8 mil
A carga foi avaliada em R$ 21 mil e foi lavrada autuação no valor de R$ 8 mil
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Servidores da Secretaria da Fazenda do Pará (Sefa), lotados na Coordenação de Mercadorias em Trânsito de Carajás, com sede em Marabá, sudeste do Estado, apreenderam, no dia (22), 12.500 vidros de palmito, que viajavam sem documentação fiscal. A mercadoria era proveniente de Novo Repartimento, com destino à Aparecida de Goiânia, no estado de Goiás.

A apreensão ocorreu no posto fiscal do Km 9, da rodovia Transamazônica. O transportador apresentou nota fiscal de roçadeiras e produtos agrícolas, e a equipe de fiscalização desconfiou por causa do tamanho do caminhão. “Na verificação in loco, encontramos os  potes de palmito avaliados em R$ 92,165 mil. Foi lavrado um termo de Apreensão e Depósito (TAD),  no valor de R$28,202 mil, que foi pago e a mercadoria liberada.

Segundo o coordenador da unidade de controle de mercadorias de Carajás, Gustavo Bozola, “é comum esta tentativa de esconder uma carga no meio de outra. Também acontece de utilizarem notas fiscais de alguns produtos que, à primeira vista, seriam de grande volume, para acobertarem outros artigos, ou apresentarem notas fiscais de objetos isentos de impostos, para acobertarem itens tributáveis”.

Leia mais:

ARROZ

Também no dia 22, em Capanema, nordeste paraense, operação de fiscalização itinerante, apreendeu 30 toneladas de arroz com casca, que viajava de Viseu, com destino ao município de Dom Eliseu, sem a emissão de nota fiscal.

A carga foi avaliada em R$ 21 mil e foi lavrada autuação no valor de R$ 8 mil. “Após o pagamento e legalização do produto, a mesma foi liberada pela Sefa para seguir viagem”, informou o coordenador de mercadorias em trânsito, Volnandes Pereira.

Ele informou, ainda, que a fiscalização teve a presença de equipes da coordenação de Belém, coordenação do Gurupi e regional de Capanema. “É fundamental a presença do Fisco em operações volantes para coibir, principalmente, a circulação de mercadorias sem documentos fiscais em operações internas”. ( com Agência Pará)

Comentários

Mais

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

INVESTIGADO POR:    VERIFICADO POR:     Enganoso Os fragmentos de arroz são um subproduto apto para o consumo humano.…
Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

INVESTIGADO POR:  VERIFICADO POR: Enganoso Título de artigo compartilhado em grupos bolsonaristas no Facebook omite que uma pesquisa eleitoral que…
É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

INVESTIGADO POR: VERIFICADO POR: São falsos posts virais no Facebook e no TikTok com áudio em que supostamente a atriz…
Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Enganoso É enganosa a publicação no site Terça Livre que afirma que um estudo francês apontou a eficácia da ivermectina…
A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

Esta semana um assunto polêmico ganhou o noticiário nacional: uma pessoa foi demitida por justa causa por se recusar a…
Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Do final de maio até o mês de julho, 314 animais foram testados contra a leishmaniose. O médico veterinário Flávio…