Correio de Carajás

Onze suspeitos de ataque com 115 mortos na Rússia são presos

A Rússia prendeu 11 pessoas, incluindo quatro supostos atiradores, suspeitos de envolvimento no ataque que deixou 115 mortos na região de Moscou. As informações foram divulgadas pelo governo russo neste sábado (23).

O atentado, reivindicado por um braço do grupo terrorista Estado Islâmico, aconteceu na casa de shows Crocus City Hall, na noite de sexta-feira (22), e é o pior dos últimos 20 anos na Rússia. Segundo autoridades russas, ao menos cinco homens armados invadiram o local enquanto a banda Picnic se preparava para se apresentar.

De acordo com o Kremlin, o chefe do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB, na sigla em inglês) informou ao presidente Vladimir Putin que quatro terroristas foram detidos — os outros sete haviam participado no planejamento do ataque.

Leia mais:

O FSB informou que os suspeitos estavam indo em direção à fronteira com a Ucrânia e que tinham contatos no país vizinho.

O governo ucraniano ainda não havia se manifestado sobre o atentado do Estado Islâmico até a última atualização desta reportagem.

Na manhã deste sábado, os agentes ainda estavam buscando por cúmplices, ainda de acordo com o Kremlin, que prometeu caçar todos os envolvidos no atentado.

O parlamentar russo Alexander Khinshtein, aliado de Putin, afirmou que os responsáveis pelo ataque foram detidos após uma perseguição na região de Bryansk, a cerca de 350 km de onde o atentado aconteceu.

Khinshtein disse que a perseguição começou após o motorista de um carro se recusar a obedecer a uma ordem de parada.

“Durante a perseguição, foram disparados tiros, e o carro capotou. Um terrorista foi detido no local, os demais fugiram para a floresta. Como resultado da busca, um segundo suspeito foi encontrado e detido”, disse.

 

Segundo Khinshtein, buscas continuaram sendo feitas para localizar outros dois suspeitos que escaparam. Dentro do veículo onde estavam os suspeitos, as autoridades disseram ter encontrado armas e passaportes do Tadjiquistão.

Esse foi o pior atentado na Rússia desde a invasão de uma escola em 2004 em Beslan. O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque em seu canal no Telegram.

Tiros e coquetel molotov

O ataque começou no saguão da sala de shows. Em seguida, os homens entraram no auditório e abriram fogo contra as pessoas que aguardavam para assistir ao show.

Uma pessoa que estava no local afirmou que os homens entraram atirando e, em um momento, jogaram um coquetel molotov no local.

Quando a testemunha tentou fugir, descobriu que uma das saídas estava trancada. Ela atravessou o salão para tentar fugir de outro ponto de saída, mas também não conseguiu. Então, se refugiou no subsolo da casa de shows até que agentes dos serviços de emergência chegaram.

Foram ouvidas duas explosões no local, que pegou fogo. Os bombeiros conseguiram controlar as chamas, mas, segundo a agência de notícias Tass, o teto do Crocus City Hall pode cair a qualquer momento.

Putin foi informado

 

O governo da Rússia disse o presidente Vladimir Putin foi informado do ataque logo nos primeiros minutos e que tem sido constantemente atualizado dos fatos.

“O presidente recebe constantemente informações sobre o que está acontecendo e sobre as medidas sendo tomadas por todos os serviços relevantes. O chefe de Estado deu todas as instruções necessárias”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Um aliado do presidente, Dmitry Medvedev, disse que tanto os atiradores como as pessoas por trás do atentado serão perseguidos e mortos.

“Todos eles devem ser encontrados e destruídos sem pena, como terroristas. Morte por morte”, afirmou em seu canal no Telegram.

 

A Rússia intensificou a segurança em aeroportos e estações em toda a capital, uma vasta região urbana que abriga 21 milhões de pessoas. Todos os eventos públicos de larga escala foram cancelados no país.

Localização do Crocus City Hall, em Krasnogorsk, na Rússia — Foto: Kayan Albertin/g1
Localização do Crocus City Hall, em Krasnogorsk, na Rússia — Foto: Kayan Albertin/g1

(Fonte:G1)