Correio de Carajás

Evento estelar explosivo criará visão única no céu; entenda

Astrônomos esperam que uma “nova estrela” apareça no céu noturno a qualquer momento até o mês de setembro, e promete ser uma visão celeste única, de acordo com a Nasa.

O evento esperado de brilho intenso, conhecido como uma nova, ocorrerá na constelação de Corona Borealis, ou Coroa do Norte, da Via Láctea, que está localizada entre as constelações de Boötes e Hércules.

Enquanto uma supernova é a morte explosiva de uma estrela massivauma nova se refere à explosão súbita e breve de uma estrela colapsada conhecida como anã branca.

Leia mais:

T Coronae Borealis, também conhecida como “Estrela da Chama”, é um sistema binário na Corona Borealis que inclui uma estrela anã branca morta e uma estrela gigante vermelha envelhecida. As gigantes vermelhas se formam quando as estrelas esgotam seu suprimento de hidrogênio para fusão nuclear e começam a morrer. Em cerca de 5 bilhões ou 6 bilhões de anos, nosso sol se tornará uma gigante vermelha, inflando e expandindo à medida que libera camadas de material e provavelmente evaporando os planetas internos do Sistema Solar, embora o destino da Terra permaneça incerto, de acordo com a Nasa.

A cada 79 anos ou mais, T Coronae Borealis passa por um evento explosivo.

As estrelas no par em órbita estão suficientemente próximas uma da outra para interagirem violentamente. A gigante vermelha se torna cada vez mais instável ao longo do tempo à medida que se aquece, lançando suas camadas externas que caem como matéria na estrela anã branca.

A troca de matéria faz com que a atmosfera da anã branca aqueça gradualmente até que experimente uma “reação termonuclear descontrolada”, resultando em uma nova, conforme visto na animação abaixo, de acordo com a agência espacial.

Mantendo um olho no céu em mudança

T Coronae Borealis experimentou seu último surto explosivo em 1946, e os astrônomos estão mantendo um olhar atento no sistema estelar mais uma vez.

“A maioria das novas acontece inesperadamente, sem aviso prévio”, disse William J. Cooke, líder do Escritório de Ambientes de Meteoroides da Nasa, em um e-mail. “No entanto, T Coronae Borealis é uma das 10 novas recorrentes na galáxia. Sabemos a partir da última erupção em 1946 que a estrela ficará mais fraca por pouco mais de um ano antes de aumentar rapidamente em brilho. T Coronae Borealis começou a enfraquecer em março do ano passado, então alguns pesquisadores esperam que ela exploda entre agora e setembro. Mas a incerteza sobre quando isso acontecerá é de vários meses – não podemos fazer melhor do que isso com o que sabemos agora.”

O sistema estelar, localizado a 3 mil anos-luz da Terra e geralmente muito fraco para ser visto a olho nu, deve atingir um nível de brilho semelhante ao de Polaris, ou ao da Estrela do Norte.

Uma vez que a nova chegar ao pico de brilho, será como se uma nova estrela tivesse aparecido – uma que seja visível por alguns dias sem nenhum equipamento e um pouco mais de uma semana com binóculos antes de diminuir e desaparecer da vista por mais 80 anos ou algo parecido.

A nova aparecerá em um pequeno arco entre as constelações de Boötes e Hércules, e será visível do Hemisfério Norte.

 

Os astrônomos estão esperando que uma “nova estrela” apareça no céu noturno a qualquer momento entre agora e setembro, e promete ser uma visão celestial única, de acordo com a Nasa / Nasa

Os astrônomos observarão a nova usando o Telescópio Espacial Hubble e estudarão o evento celeste por meio de luz ultravioleta e raios-X usando o Observatório Espacial Neil Gehrels Swift.

“Estudar novas recorrentes como T Coronae Borealis nos ajuda a entender a transferência de massa entre as estrelas nesses sistemas e fornece insights sobre a reação termonuclear descontrolada que ocorre na superfície da anã branca quando a estrela explode em uma nova”, disse Cooke.

A conta NASAUniverse na X, anteriormente conhecida como Twitter, fornecerá atualizações sobre o surto e sua aparência.

Cooke lembrou que a última nova que testemunhou – Nova Cygni em 1975 – teve um brilho semelhante ao que se espera de T Coronae Borealis. Não se espera que Nova Cygni experimente outra explosão novamente.

“Eu era um geek adolescente de astronomia prestes a começar a faculdade e estava do lado de fora na noite de 29 de agosto”, disse Cooke. “Olhando para o céu, percebi que a constelação de Cygnus estava bagunçada; havia uma estrela que não deveria estar lá. Depois de suportar alguns comentários de amigos que pensavam que eu estava louco, consegui fazê-los olhar e percebemos que estávamos olhando para uma nova! Foi uma experiência muito memorável e reforçou minha escolha de astronomia como carreira. Costumava brincar que uma estrela tinha que explodir para me fazer passar por física universitária.”

(Fonte:CNN Brasil)