Correio de Carajás

A ciência como fomento a 400 alunos de escolas públicas de Marabá

Alcançando 400 alunos de escolas públicas de Marabá, o Laboratório Maker tem despertado o interesse pela ciência em crianças e adolescentes. Com encontros regulares, eles são incentivados a conectar o aprendizado teórico com experiências práticas.

Por meio do envolvimento ativo dos estudantes, o projeto promovido pela Estação Conhecimento tem mostrado melhora no desempenho acadêmico e a promoção de uma compreensão mais profunda e uma aplicação mais ampla dos conceitos científicos no cotidiano.

Apesar da presença onipresente da ciência em nossas vidas, os estudantes brasileiros têm enfrentado dificuldades em compreender e se envolver com os conceitos científicos, como evidenciado pela última edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) em 2022, onde menos de 50% dos educandos alcançaram um nível básico de proficiência em matemática e ciências.

Leia mais:

Em resposta a essa lacuna educacional, a iniciativa proporciona encontros de segunda a quinta-feira, nos quais os participantes conectam os conteúdos aprendidos com situações do dia a dia, facilitando a absorção do conhecimento de forma orgânica.

Nesse ambiente de aprendizado prático, os alunos se deparam com a fascinante jornada da ciência através da experimentação. Eles têm a oportunidade de construir, com suas próprias mãos, uma variedade de dispositivos, desde um protótipo de foguete impulsionado por água e ar comprimido, capaz de percorrer 115 metros, até um telégrafo audiovisual para comunicação por código morse, além de livretos digitais e células braile.

NARRATIVAS

A reportagem deste CORREIO conheceu de perto o projeto e pôde ouvir relatos como o de Manoel de Jesus, educador engajado no projeto, e de Jayane Brito dos Santos, uma das estudantes participantes, que destacam a transformação vivenciada por meio dessa iniciativa.

O educador Manoel de Jesus se sente feliz por participar do projeto Maker

O professor compartilha sua gratidão por poder testemunhar o impacto do projeto desde sua implementação, enfatizando como os alunos se tornam não apenas receptores, mas também transmissores de conhecimento: “Dentro da eletrônica, os alunos aprendem manipulação de circuitos elétricos e dispositivos eletrônicos”, cita.

Jayane, por sua vez, conta como sua participação no Laboratório Maker aprimorou seu desempenho escolar e a capacidade de relacionar conceitos aprendidos com situações reais, demonstrando como o conhecimento adquirido se reflete em sua vida acadêmica e além dela.

A estudante Jayane Brito exemplifica alguns conteúdos que estudou e conseguiu levar para a escola

“No espaço, participei de projetos que exploravam a história das mulheres negras, oferecendo uma perspectiva enriquecedora e profundamente relevante, algo que pude levar para dentro da sala de aula da minha escola”, conta a jovem de 15 anos.

A iniciativa não apenas preenche uma lacuna no ensino de ciências, mas também inspira uma nova geração de estudantes a abraçar o conhecimento científico e tecnológico, capacitando-os a enfrentar os desafios do mundo contemporâneo com criatividade, habilidade e entusiasmo.

TRANSFORMAÇÃO

Huelson Cavalcante destaca como a experiência no projeto o inspirou a explorar a programação e a refletir sobre o papel da comunicação ao longo da história e em seu futuro profissional, evidenciando o impacto positivo da abordagem educacional da Estação Conhecimento.

Huelson diz já saber qual profissão seguir, graças ao laboratório

O adolescente, inclusive, aproveita para contar que o Laboratório despertou nele uma vontade de construir uma carreira profissional como engenheiro de Software: “É dessa forma que quero trazer o conhecimento adquirido aqui para minha vida”, finaliza.

Audileide Ferreira, diretora da Estação, expressa a gratificação de poder proporcionar uma metodologia educacional inovadora para centenas de crianças e adolescentes, que envolve investigação, experimentação e criatividade, resultando em melhorias significativas não apenas em seu desempenho escolar, mas também em sua vida diária.

A diretora do projeto, Audileide Ferreira, aponta que os alunos têm mostrado uma melhoria significante nas escolas

“Temos enxergado uma melhoria significante nas escolas, principalmente nas disciplinas que envolvem a ciência e a matemática. Sabemos que a tecnologia e a ciência possuem essa função de facilitar os nossos dias, logo, todo esse aprendizado vai facilitar suas vidas onde quer que estejam”, aponta. (Thays Araujo)