Correio de Carajás

Summer Fest 2017 é considerado maior evento náutico do norte

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O evento mais esperado de todo veraneio marabaense reuniu milhares de pessoas no último sábado (26). Com uma estrutura organizada e um público animado, a Summer Fest 2017 ficou marcada como o maior acontecimento náutico do norte do país, segundo os organizadores. A festa que começou por volta das 15 horas, virou a madrugada e só acabou quando o último artista deixou o palco.

“A Summer Fest foi uma das melhores festas de barcos que já fui nesses anos todos de Náutica. É muito boa em estrutura, organização, inovação e, em especial, animação. Os marabaenses fazem festa como ninguém. Sensacional”, declarou Otto Aquino, diretor de redação da Revista Náutica, veículo nacional especializado no assunto e responsável pela realização dos maiores eventos náuticos do país, Rio e São Paulo Boat Show.

Ele contou ao Correio de Carajás que foi surpreendido com a quantidade de embarcações em Marabá, levando em consideração que não é uma capital ou cidade metropolitana. “São barcos grandes, acima de 20 pés, tem barco maior, até de 30 pés, e isso mostra a potência que é a região e que pode também aumentar muito mais”, acrescentou. Conforme estimativa da organização do evento, cerca de três mil pessoas participaram da 4ª edição do Summer Fest.

Leia mais:

Para Otto, se a festa recebesse o apoio da Prefeitura Municipal ou de representantes do poder público, ela poderia crescer ainda mais e atingir um público maior. “Só para você ter uma ideia, no São Paulo Boat Show, que começa no dia 21 de setembro, nós teremos o primeiro congresso com foco no turismo náutico. Então nós vamos reunir mais de 40 prefeitos e secretários de turismo para ensiná-los o que eles têm que fazer para que as cidades tenham potencial náutico, porque o turista náutico deixa muito dinheiro na cidade”, observa.

Em sua visão, a Summer Fest poderia ocorrer mais vezes ao ano, devido ao grande potencial do evento. Ele ainda informa que de 10 grandes barcos que são vendidos no país, sete são destinados aos municípios do interior e não às grandes capitais litorâneas. “Hoje, o pessoal acha que náutica é só mar, mas não. O interior do Brasil é tão grande quanto o litoral”.

Durante o evento, quatro artistas se apresentaram: Dedê Alves, Luan Vittor, Betto Lima e DJ Solrac. Aproximadamente 100 embarcações estiveram na festa, dentre lanchas, flutuantes e motos aquáticas.

(Nathália Viegas)

 

O evento mais esperado de todo veraneio marabaense reuniu milhares de pessoas no último sábado (26). Com uma estrutura organizada e um público animado, a Summer Fest 2017 ficou marcada como o maior acontecimento náutico do norte do país, segundo os organizadores. A festa que começou por volta das 15 horas, virou a madrugada e só acabou quando o último artista deixou o palco.

“A Summer Fest foi uma das melhores festas de barcos que já fui nesses anos todos de Náutica. É muito boa em estrutura, organização, inovação e, em especial, animação. Os marabaenses fazem festa como ninguém. Sensacional”, declarou Otto Aquino, diretor de redação da Revista Náutica, veículo nacional especializado no assunto e responsável pela realização dos maiores eventos náuticos do país, Rio e São Paulo Boat Show.

Ele contou ao Correio de Carajás que foi surpreendido com a quantidade de embarcações em Marabá, levando em consideração que não é uma capital ou cidade metropolitana. “São barcos grandes, acima de 20 pés, tem barco maior, até de 30 pés, e isso mostra a potência que é a região e que pode também aumentar muito mais”, acrescentou. Conforme estimativa da organização do evento, cerca de três mil pessoas participaram da 4ª edição do Summer Fest.

Para Otto, se a festa recebesse o apoio da Prefeitura Municipal ou de representantes do poder público, ela poderia crescer ainda mais e atingir um público maior. “Só para você ter uma ideia, no São Paulo Boat Show, que começa no dia 21 de setembro, nós teremos o primeiro congresso com foco no turismo náutico. Então nós vamos reunir mais de 40 prefeitos e secretários de turismo para ensiná-los o que eles têm que fazer para que as cidades tenham potencial náutico, porque o turista náutico deixa muito dinheiro na cidade”, observa.

Em sua visão, a Summer Fest poderia ocorrer mais vezes ao ano, devido ao grande potencial do evento. Ele ainda informa que de 10 grandes barcos que são vendidos no país, sete são destinados aos municípios do interior e não às grandes capitais litorâneas. “Hoje, o pessoal acha que náutica é só mar, mas não. O interior do Brasil é tão grande quanto o litoral”.

Durante o evento, quatro artistas se apresentaram: Dedê Alves, Luan Vittor, Betto Lima e DJ Solrac. Aproximadamente 100 embarcações estiveram na festa, dentre lanchas, flutuantes e motos aquáticas.

(Nathália Viegas)

 

Comentários

Mais

Uepa prorroga inscrições para especialização em Parauapebas

Uepa prorroga inscrições para especialização em Parauapebas

Foram prorrogadas até o dia 23 de abril as inscrições ao Processo Seletivo para o Curso de Especialização em Teorias…
Parauapebas terá 1º Seminário de Educação Escolar Indígena

Parauapebas terá 1º Seminário de Educação Escolar Indígena

Com o objetivo de valorizar ainda mais a educação indígena, além de levantar debates e reflexões acerca da temática, a…
Butantan recebe insumos para 5 milhões de doses da CoronaVac

Butantan recebe insumos para 5 milhões de doses da CoronaVac

O Instituto Butantan recebeu, na manhã desta segunda-feira (19), mais 3 mil litros do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), matéria-prima para…
Pará registra 451.192 casos de Covid-19 e 11.900 mortes

Pará registra 451.192 casos de Covid-19 e 11.900 mortes

O Pará registrou, neste domingo (18), um total de 451.192 casos de Covid-19 e 11.900 mortes. De acordo com o…
Indígenas usam tecnologias para manter língua e cultura vivas

Indígenas usam tecnologias para manter língua e cultura vivas

O xokleng é uma língua falada apenas por uma comunidade indígena no Vale do Alto Itajaí, na região central de…
Divisa interdita empresa que envasava oxigênio de forma irregular em Marabá

Divisa interdita empresa que envasava oxigênio de forma irregular em Marabá

A Divisa (Divisão de Vigilância Sanitária) de Marabá recebeu denúncia anônima de suposto envasamento inapropriado de gás oxigênio para fins…