Correio de Carajás

Semsa e Sespa promovem Capacitação em Vigilância e Controle de Leishmaniose

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Devido ao alto índice de casos de leishmaniose em Parauapebas, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), por meio da Direção da Vigilância em Saúde, da Coordenação de Vigilância Ambiental, realiza Capacitação em Vigilância e Controle das Leishmanioses destinada aos profissionais de saúde da rede pública. O curso está sendo organizado em parceria com a Divisão de Vigilância em Saúde e Centro Regionais de Saúde (CRS/Sespa– Marabá).

A capacitação começou ontem, segunda-feira (21), e encerra hoje, terça-feira (22), no Centro Universitário de Parauapebas (Ceup). O município tem apresentado diversos casos da doença, inclusive com acometidos de pessoas.

De acordo com a ONG Apama, que cuida de animais sem lar, é preocupante a situação no município, porque a doença vem se alastrando em números alarmantes. Segundo a entidade, um levantamento feito pelo Dr. Carlos Pacolla, de uma clínica Veterinária que presta apoio a ONG, dos 30 testes rápidos de Leishmaniose realizados em cães, 22 apontaram resultado positivo.

Leia mais:

A ONG observa que estes foram apenas os testes rápidos. Existem outros casos positivos confirmados por citologia. A doença é transmitida ao cão e ao homem pelo mosquito palha, também conhecido como tatuquira, birigui e cangalha contaminado.

Como o mosquito transmissor se reproduz em locais onde tem matéria orgânica em decomposição, a Apama alerta a população para a necessidade de medidas preventivas como:

1- Manter quintais limpos de fezes de cães e, se tiver árvore frutífera, não deixar que acumule porque os mosquitos se reproduzem em fezes e alimentos em decomposição.

2- Mantenham lixeiras fechadas e evitem acumular lixo.

3- Não criar galinhas dentro da cidade, pois os mosquitos também se reproduzem nas fezes.

4-Manter os animais domésticos encoleirados e/ou vacinados e limpar os canis diariamente.

5- Usar repelentes, principalmente em áreas endêmicas, que ajudam a afastar o mosquito.

6- Em caso de suspeita, levar o animal para fazer o teste em uma clínica.

7- Não abandonar o animal doente para que ele não vire mais um animal contaminado nas ruas. 

Sinais de que o animalzinho possa ter leishmaniose

Para identificar se o animal está contaminado com a doença, a pessoa deve observar se ele apresenta:  

1- Problemas de pele e pelo: dermatite seborreica, aparecimento de feridas na borda das orelhas e principalmente no focinho e falta de pêlos ao redor dos olhos

2- Emagrecimento.

3- Unhas grandes.

4- Sangramento nasal ou oral.

5- Apatia

6- Febre.

7- Possível crescimento do abdômen por aumento do baço e do fígado.

Doença não tem cura

Segundo a Apama, a Leishmaniose no ser humano, assim como no cachorro, não tem cura, apenas tratamento para controle da doença. Um animal tratado apresenta aumento do tempo de vida e diminuição dos sintomas da doença. Um animal com leishmaniose, uma vez que não é tratado, torna-se um risco para outros animais e para o ser humano.

A ONG chama atenção para a necessidade de uma campanha de impacto do poder público de combate a doença. “Se nenhuma autoridade disser o que está acontecendo, se não expuserem números para a sociedade, as pessoas vão continuar incrédulas. Acreditamos que, somente expondo a situação, conseguiremos a co-participação de todos na luta contra essa doença”, destaca a entidade.

Por outro lado, a Secretaria Municipal de Saúde diz que está realizando campanhas, tanto na zona urbana como rural de orientação da população e combate a doença. (Tina Santos)

 

Devido ao alto índice de casos de leishmaniose em Parauapebas, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), por meio da Direção da Vigilância em Saúde, da Coordenação de Vigilância Ambiental, realiza Capacitação em Vigilância e Controle das Leishmanioses destinada aos profissionais de saúde da rede pública. O curso está sendo organizado em parceria com a Divisão de Vigilância em Saúde e Centro Regionais de Saúde (CRS/Sespa– Marabá).

A capacitação começou ontem, segunda-feira (21), e encerra hoje, terça-feira (22), no Centro Universitário de Parauapebas (Ceup). O município tem apresentado diversos casos da doença, inclusive com acometidos de pessoas.

De acordo com a ONG Apama, que cuida de animais sem lar, é preocupante a situação no município, porque a doença vem se alastrando em números alarmantes. Segundo a entidade, um levantamento feito pelo Dr. Carlos Pacolla, de uma clínica Veterinária que presta apoio a ONG, dos 30 testes rápidos de Leishmaniose realizados em cães, 22 apontaram resultado positivo.

A ONG observa que estes foram apenas os testes rápidos. Existem outros casos positivos confirmados por citologia. A doença é transmitida ao cão e ao homem pelo mosquito palha, também conhecido como tatuquira, birigui e cangalha contaminado.

Como o mosquito transmissor se reproduz em locais onde tem matéria orgânica em decomposição, a Apama alerta a população para a necessidade de medidas preventivas como:

1- Manter quintais limpos de fezes de cães e, se tiver árvore frutífera, não deixar que acumule porque os mosquitos se reproduzem em fezes e alimentos em decomposição.

2- Mantenham lixeiras fechadas e evitem acumular lixo.

3- Não criar galinhas dentro da cidade, pois os mosquitos também se reproduzem nas fezes.

4-Manter os animais domésticos encoleirados e/ou vacinados e limpar os canis diariamente.

5- Usar repelentes, principalmente em áreas endêmicas, que ajudam a afastar o mosquito.

6- Em caso de suspeita, levar o animal para fazer o teste em uma clínica.

7- Não abandonar o animal doente para que ele não vire mais um animal contaminado nas ruas. 

Sinais de que o animalzinho possa ter leishmaniose

Para identificar se o animal está contaminado com a doença, a pessoa deve observar se ele apresenta:  

1- Problemas de pele e pelo: dermatite seborreica, aparecimento de feridas na borda das orelhas e principalmente no focinho e falta de pêlos ao redor dos olhos

2- Emagrecimento.

3- Unhas grandes.

4- Sangramento nasal ou oral.

5- Apatia

6- Febre.

7- Possível crescimento do abdômen por aumento do baço e do fígado.

Doença não tem cura

Segundo a Apama, a Leishmaniose no ser humano, assim como no cachorro, não tem cura, apenas tratamento para controle da doença. Um animal tratado apresenta aumento do tempo de vida e diminuição dos sintomas da doença. Um animal com leishmaniose, uma vez que não é tratado, torna-se um risco para outros animais e para o ser humano.

A ONG chama atenção para a necessidade de uma campanha de impacto do poder público de combate a doença. “Se nenhuma autoridade disser o que está acontecendo, se não expuserem números para a sociedade, as pessoas vão continuar incrédulas. Acreditamos que, somente expondo a situação, conseguiremos a co-participação de todos na luta contra essa doença”, destaca a entidade.

Por outro lado, a Secretaria Municipal de Saúde diz que está realizando campanhas, tanto na zona urbana como rural de orientação da população e combate a doença. (Tina Santos)

 

Comentários

Mais

Butantan recebe insumos para 5 milhões de doses da CoronaVac

Butantan recebe insumos para 5 milhões de doses da CoronaVac

O Instituto Butantan recebeu, na manhã desta segunda-feira (19), mais 3 mil litros do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), matéria-prima para…
Pará registra 451.192 casos de Covid-19 e 11.900 mortes

Pará registra 451.192 casos de Covid-19 e 11.900 mortes

O Pará registrou, neste domingo (18), um total de 451.192 casos de Covid-19 e 11.900 mortes. De acordo com o…
Indígenas usam tecnologias para manter língua e cultura vivas

Indígenas usam tecnologias para manter língua e cultura vivas

O xokleng é uma língua falada apenas por uma comunidade indígena no Vale do Alto Itajaí, na região central de…
Divisa interdita empresa que envasava oxigênio de forma irregular em Marabá

Divisa interdita empresa que envasava oxigênio de forma irregular em Marabá

A Divisa (Divisão de Vigilância Sanitária) de Marabá recebeu denúncia anônima de suposto envasamento inapropriado de gás oxigênio para fins…
Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa

Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa

Em isolamento social, as pessoas tendem a sentir falta de sair e do contato com a natureza, por isso, ter…
Mundo chega a 3 milhões de mortes por Covid com piora da pandemia na América do Sul

Mundo chega a 3 milhões de mortes por Covid com piora da pandemia na América do Sul

O mundo chegou neste sábado (17) à triste marca de 3 milhões de mortes causadas pela Covid-19, em meio à…