Correio de Carajás

Mude… Releia-se!

Societizando

Societizando

Chagas Filho

Apresento-lhes aqui um convite à mudança, a partir das virtudes presentes no outro e a partir de  nossa disponibilidade para isso.

Esse texto é sobre esperança, em tempos de ódio.

Lá vai!

Leia mais:

Tudo muda. Isso é inevitável na vida.

Homem, mulher…

A gente muda… o tempo inteiro.

Yes! Que bom que é assim.

Sim, as pessoas que passam pela nossa vida e, por vezes, nos atravessam, são parte dessa mudança.

Um cantor, uma banda, uma quadro, um bicho, um bar, um pôr do sol… tudo pode ganhar um sentido novo, diverso.

Que bom.

É incrível como há pessoas que são capazes de nos pegar pela mão e nos abrir  e nos virar pelo avesso, fazendo com que a gente perceba que quanto mais o tempo passa, menos sabemos sobre as coisas e sobre as pessoas.

As possibilidades de releitura estão em cada esquina, em cada  conversa, em cada momento que poderia ser perdido, mas não foi.

Mas é preciso estar disposto, acessível, disponível, porque a revisão das nossas verdades só é possível quando enxergamos o outro como uma esperança e não como uma ameaça.

Mude, releia, revisite lugares comuns, ouça aquela música novamente, diga bom dia a um desconhecido, assista aquele filme que alguém te indicou porque gosta de você.

Ouça, de novo, aquele cantor que você ouviu anos atrás e não gostou. Quem sabe agora ele tenha mudado… Quem sabe agora você tenha mudado.

Aprenda que há dezenas de pessoas que passam por você todos os dias e você nem dá atenção. Mas cada uma delas tem uma história pra contar, tem uma coisa pra te dizer; tem uma palavra nova pra ensinar e pra aprender também.

Saiba: cada pessoa carrega uma esperança na mão, mas é preciso dar a mão. Então entenda, estenda… a mão.

Releia.

Releia-se.

 

Observação: As opiniões contidas nesta coluna não refletem, necessariamente, a opinião do CORREIO DE CARAJÁS.

Comentários
Mude... Releia-se!

Mude... Releia-se!

Apresento-lhes aqui um convite à mudança, a partir das virtudes presentes no outro e a partir de  nossa disponibilidade para…
Sobre o Dia dos Namorados: Não leia!

Sobre o Dia dos Namorados: Não leia!

Na contramão do Dia dos Namorados, proponho uma reflexão para entristecer e colocar pulgas atrás da orelha. Então, se você…
A violência não pode ser uma escolha de Estado

A violência não pode ser uma escolha de Estado

Genivaldo era de Jesus, como tantos brasileiros; era dos Santos, como eu e muita gente. Saiu de casa numa quarta-feira…

Liberdade de Imprensa: um bem inegociável

Redijo esse compêndio de ideias falíveis na esperança audaciosa de torná-lo um postulado sobre o que vem a ser de…
O capitalismo deu certo. E isso não é uma ironia.

O capitalismo deu certo. E isso não é uma ironia.

Meu carro pifou logo depois que eu abasteci. Não, não é problema com a gasolina. O carro é velho mesmo…
Deixem as “minas” em paz!

Deixem as “minas” em paz!

O futebol sempre foi um campo extremamente masculino, onde sempre reinaram o machismo e a homofobia. Mas os tempos mudaram.…